Atentados matam seis no Paquistão

Duas bombas explodem na cidade de Peshawar; policiais estão entre as vítimas

Agência Estado

31 de janeiro de 2011 | 09h15

Policiais paquistaneses checam carro danificado por explosão em Peshawar.

 

PESHAWAR - Seis pessoas, entre elas quatro policiais, morreram e 14 ficaram feridas nas explosões de duas bombas nesta segunda-feira, 31, no noroeste do Paquistão.

 

A primeira das bombas foi detonada por um jovem suicida. O ataque matou cinco pessoas e deixou 11 feridos. A ação foi reivindicada pelo Taleban paquistanês, e o alvo era a polícia da instável cidade de Peshawar. Uma van da polícia fazia uma patrulha de rotina nas proximidades da cidade quando sofreu o ataque, disse o graduado funcionário da administração local Siraj Ahmed. "O suicida era um jovem, ele veio a pé e se explodiu perto da van da polícia."

 

O ataque matou três policiais - o vice-superintendente Rashid Khan, seu segurança e o motorista da van -, além de dois civis, segundo funcionários. "Nós recebemos quatro corpos - três policiais e um civil - disse o chefe do principal hospital de Peshawar, Abdul Hameed Afridi. Mais tarde, uma pessoa ferida morreu no hospital. Outros sete feridos estavam em estado grave no hospital. Umar Gul, um policial que estava no local, confirmou o ataque. "Nós recolhemos a cabeça dele. O suicida era um jovem garoto."

 

Outro policial foi morto e três outros ficaram feridos quando uma bomba foi detonada à beira de uma estrada, pouco tempo depois, perto de uma van da polícia no subúrbio de Peshawar, disse o policial Ejaz Khan. Nesse caso, o grupo Tehreek-e-Taliban Pakistan reivindicou a ação. Um porta-voz do grupo confirmou o ataque, em um telefonema.

 

As autoridades disseram que não recuarão no combate aos militantes. O noroeste do Paquistão e as áreas tribais são assolados pela violência, em sua maioria contra membros das forças de segurança. Centenas de membros do Taleban e da Al-Qaeda buscaram refúgio nessas áreas, após a invasão liderada pelos EUa no Afeganistão, em 2001.

 

Cerca de quatro mil pessoas morreram em ataques, desde que funcionários invadiram uma mesquita militante em Islamabad em julho de 2007. O governo afirma ter conseguido várias vitórias contra os rebeldes nos últimos dois anos, mas os ataques continuam pelo país, concentrando-se no noroeste.

 

O Paquistão lançou sua ofensiva mais ambiciosa contra os militantes em 2009, no Waziristão do Sul, expandindo suas ações em seguida para vários outros distritos semiautônomos, perto da fronteira afegã. Washington afirma que é fundamental eliminar a ameaça militante no cinturão tribal paquistanês, notando que isso é fundamental na guerra contra o Taleban no Afeganistão e para derrotar a Al-Qaeda. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.