Atentados no Egito podem ter sido cometidos por suicidas

As três explosões da última segunda-feira na cidade egípcia de Dahab, que causaram a morte de 23 pessoas, foram quase consecutivas e ocorreram em uma área de cerca de cem metros. A hipótese de que os atentados no balneário egípcio de Dahab tenham sido perpetrados por suicidas ganhou corpo nesta terça-feira com a informação, confirmada à EFE pelo diretor de um hospital, de que três dos mortos são árabes cujos corpos ficaram totalmente desfigurados. O diretor do Hospital de Dahab, Mohammed Hussein, não descartou que os corpos sejam de terroristas suicidas. O hospital recebeu três cabeças e vários membros carbonizados, segundo disse o diretor, acrescentando que os restos desses corpos serão enviados ao Cairo para a realização de análises de DNA. A versão oficial egípcia é, pelo menos até agora, de que as bombas haviam sido ativadas à distância, sem intervenção de suicidas. Mohammed Hussein também disse que os traços faciais dos três corpos despedaçados indicam que não se trata de beduínos nativos do Sinai, mas de "egípcios de fora da península". As explosões ocorreram junto a três dos lugares mais movimentados da região de Dahab: o supermercado Ghazala - onde muitos turistas mergulhadores costumam fazer compras - foi o primeiro lugar atingido, e dois restaurantes, que foram atacados pelas outras explosões momentos após o supermercado. Abdelnabi, balconista de uma lanchonete próxima ao local onde explodiu a segunda bomba, relatou que após ouvir a explosão e enquanto saía de seu local de trabalho, outra bomba explodiu em frente ao restaurante Al Capone, logo após a pequena ponte que parte da praça principal da cidade, de cerca de 35 mil habitantes. Instantes depois, e enquanto se recuperava dos efeitos da onda expansiva, Abdelnabi viu a explosão de outra bomba, em frente a um restaurante chinês, do outro lado da ponte, a uns dez metros de distância. O diretor do hospital disse que 12 vítimas já chegaram mortas e outras seis faleceram pouco depois de dar entrada. Todos os feridos receberam primeiros socorros e foram imediatamente transferidos ao hospital de Sharm el-Sheikh, ao sul de Dahab, que conta com melhor equipamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.