Atentados no Irã e no Paquistão matam 30

Grupo sunita é suspeito por ataque a bomba contra mesquita xiita[br]iraniana; Taleban estaria por trás de 2 ações em mercado de Peshawar

TEERÃ, O Estadao de S.Paulo

29 de maio de 2009 | 00h00

Uma série de explosões atingiu na tarde de ontem cidades noIrã e no Paquistão, em episódios relacionados à violênciasectária e ao Taleban. No Irã, ao menos 30 pessoas morreram e 60 ficaram feridas em Zahedan, cidade próxima à fronteira com o Paquistão e o Afeganistão. A explosão ocorreu em uma importante mesquita xiita na cidade, que - em contraste com as demais áreas do país - tem maioria sunita.Segundo a agência de notícias local Ilna, um homem-bomba foi o responsável pelo ataque. O governador Ali Mohammad Azaddisse que "um grupo terrorista" já havia sido preso. Até a noite de ontem, nenhum grupo havia assumido a autoria do atentado.Em fevereiro de 2007, um ataque a bomba em Zahedan foi organizadopor um grupo insurgente conhecido como Jundallah, que luta pelo direito da minoria sunita no Irã. Na época, 18 membros da Guarda Revolucionária foram mortos.Segundo o governador Azad, os responsáveis pela explosãode ontem"planejaram mais atividades terroristas em outrasprovíncias para tentar desestabilizar o país às vésperas da eleição presidencial" do dia 12.ATENTADOJá no Paquistão, duas bombas foram detonadas quase simultaneamenteem um mercado na cidade de Peshawar, no noroeste do país, matando 6 pessoas e deixando mais de 70 feridos. Assim que chegou ao local, a polícia foi atacada por homens armados que estavam escondidos no telhado das casas e houve troca de tiros.Logo após as explosões, um homem-bomba atacou um posto de controle nos arredores de Peshawar, matando quatro soldados. Os ataques ocorreram horas após o Taleban paquistanês divulgar um alerta, assumindo a responsabilidade pelos atentados ocorridos na véspera em Lahore, no qual 24 pessoas foram mortas.O comunicado também prometia mais violência. O grupo disse que a ação foi uma vingança pela ofensiva do Exército no Vale do Swat. "Tínhamos esse alvo em mente há muito tempo", disse Hakimullah Mehsud, um comandante leal ao chefe do Taleban paquistanês,Baitullah Mehsud. Peshawar é a capital da Provínciada Fronteira Noroeste, onde as forças de segurança estãolançando grandes ataques contra do Taleban. Apesar do avanço do Exército, houve oito ataques dos militantes desde abril, quando as operações do governo tiveram início.A violência no Paquistão disparou em meados de 2007, com ataques contra forças de segurança e alvos estrangeiros, além do avanço do Taleban. O país é considerado fundamental para os planos dosEUA de derrotar a Al-Qaeda e minar o apoio ao Talebanno país.TERRORISMO E TRÁFICOOs presidentes do Irã, Paquistão e Afeganistão se reuniramno domingo em Teerã para discutir estratégias conjuntas para combater o terrorismo, o tráfico de drogas e outros problemas de segurança na região.Os governos paquistanês e afegão estão lutando paracombater o avanço do Taleban em seus territórios.Tanto Teerã como Islamabad têm interesse em estabilizarO Afeganistão, porque o narcotráfico tem um impacto direto em seus países. Milhões de afegãos, por exemplo, atravessaram a fronteira com o Irã para fugir da violência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.