Atentados recentes no Iraque sugerem ação internacional

Os recentes ataques a bomba e atos de sabotagem no Iraque, contra a Embaixada da Jordânia, oleodutos e, nesta terça-feira, contra o prédio que abrigava as instalações da ONU em Bagdá, podem indicar a presença de grupos terroristas internacionais, como a Al-Qaeda, no país, lutando para desestabilizar a ocupação americana. Especialistas dizem que a natureza desses ataques - que usam grandes quantidades de explosivo e agentes suicidas, vitimam cidadãos iraquianos, a infra-estrutura do país e funcionários de ajuda humanitária - aponta para grupos islâmicos estrangeiros. Em comparação, as guerrilhas antiamericanas dificilmente fazem vítimas iraquianas, atuam em menor escala e dificilmente usam táticas suicidas.?Havia uma quantidade enorme de explosivo?, disse Bernard Kerik, ex-comissário de polícia de Nova York, ao vistoriar dos destroços do hotel que servia de sede para a ONU em Bagdá. Kerik está no Iraque para ajudar a restabelecer a polícia local. Perguntado se a Al-Qaeda estaria por trás do atentado, ele disse que é ?muito cedo? para tirar conclusões.Nenhum grupo reivindicou responsabilidade pelo atentado contra a ONU, nem pelo ataque à embaixada jordaniana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.