NEMA/Handout via REUTERS
NEMA/Handout via REUTERS

Atentados suicidas deixam ao menos 37 mortos na Nigéria

Primeira explosão na cidade de Mubi, no nordeste do país, ocorreu pouco antes da oração da tarde; minutos depois, um segundo suicida atacou um mercado próximo onde os fiéis que fugiram do primeiro atentado tinham se abrigado

O Estado de S.Paulo

01 Maio 2018 | 12h30

ABUJA - Dois ataques suicidas mataram nesta terça-feira, 1, pelo menos 37 pessoas na Nigéria. As duas explosões apresentaram indícios de participação do grupo Boko Haram. O número total de mortos deve aumentar. Othman Abubakar, porta-voz da polícia de Mubi, local dos atentados, confirmou a morte de 24 pessoas. Segundo testemunhas, porém, o número seria maior. Uma fonte do hospital da região informou que 37 corpos haviam sido transportados para o necrotério. 

+ Garotas libertadas pelo Boko Haram tentam superar traumas

Mas os relatos sobre o número de mortos são confusos. Sani Kakale, um voluntário, falou em 42. Uma das testemunhas, Muhammad Hamidu, disse ter participado do enterro de 68 pessoas, enquanto outro morador falou em 73 mortos.

As duas explosões aconteceram enquanto uma multidão realizava a oração do meio-dia dentro de uma mesquita. De acordo com testemunhas, o primeiro homem-bomba se explodiu entre os fiéis. O segundo suicida detonou seus explosivos quando parte da multidão fugia da primeira explosão.

A luta contra o Boko Haram esteve no centro do encontro entre o presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, e o americano Donald Trump na Casa Branca, na segunda-feira. O grupo islâmico iniciou suas ações em 2009, com o objetivo de criar um Estado islâmico na Nigéria, e espalhou sua campanha para países vizinhos, como Chade, Camarões e Níger. Mais de 50 mil pessoas morreram e 2 milhões foram deslocadas pelo conflito. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.