Atentando contra posto policial mata ao menos 20 no Paquistão

Explosão deixou outros 12 feridos; primeiro-ministro promete 'mão de ferro' contra terroristas e extremistas

Associated Press,

18 de abril de 2009 | 10h31

Um suicida explodiu neste sábado, 18, um carro-bomba em um posto policial no noroeste do Paquistão, matando pelo menos 20 pessoas, informaram oficiais do país. Os ataques de militantes estão se espalhando pelo Paquistão, enquanto a fronteira com o Afeganistão torna-se uma fortaleza para fugitivos da Al-Qaeda. Acredita-se que o líder do grupo extremista, Osama bin Laden, esteja escondido na região.

 

A explosão destruiu o posto e deixou um prédio que abrigava policiais e militares severamente danificada, disse Farid Khan, um alto oficial da polícia na cidade de Hangu, próxima ao distrito da Província da Fronteira do Noroeste (NWFP) onde aconteceu o atentado. Pelo menos 18 membros das forças de segurança e dois civis morreram, acrescentou Khan.

 

Mais de doze pessoas também ficaram feridas, incluindo o chefe da polícia local, revelaram outros oficiais. O primeiro-ministro paquistanês Yousuf Raza Gilani condenou o ataque, dizendo que se tratou de um "ato covarde de terrorismo". Ele disse também que o governo pode usar "mão de ferro" contra terroristas e extremistas, segundo nota de seu escritório.

 

O Paquistão está sobre forte pressão internacional para aumentar o combate aos grupos islâmicos responsáveis por ataques no Afeganistão e Índia. Na sexta-feira, 31 países e 18 organizações internacionais prometeram US$ 5 bilhões em ajuda ao país, como parte de um programa de combate à pobreza e aumento da segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.