EFE/EPA/JOHN G. MABANGLO
EFE/EPA/JOHN G. MABANGLO

Atirador abre fogo e mata oito em empresa de transporte ferroviário na Califórnia

Suspeito cometeu suicídio após ataque; há vários feridos, ao menos um deles em estado crítico

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2021 | 15h25
Atualizado 26 de maio de 2021 | 19h14

SAN JOSE, EUA-  Um funcionário do transporte público matou oito colegas de trabalho a tiros e cometeu suicídio nesta quarta-feira, 26, em um pátio ferroviário em San Jose, na Califórnia. Autoridades ainda trabalham para esclarecer os motivos do ataque, que aconteceu por volta das 6h30 no horário local (10h30 no Brasil). A polícia também investiga um incêndio na casa do atirador.

O incidente aconteceu durante a mudança de plantão entre os funcionários do turno da noite e os trabalhadores da manhã. No momento do ataque, havia cerca de quarenta pessoas no local. Policiais encurralaram o suspeito, que se matou. Além das oito vítimas fatais e do agressor, várias outras pessoas ficaram feridas, e pelo menos uma delas está em estado crítico no hospital.

Um esquadrão antibombas revistou o pátio depois que pelo menos um artefato explosivo foi encontrado, informou o  vice-xerife do condado de Santa Clara, Russel Davis, em entrevista coletiva. 

O prefeito de San Jose, Sam Liccardo, disse que as autoridades também responderam a um incêndio na casa do suspeito, embora ninguém tenha sido encontrado no local. As autoridades não informaram o nome ou a idade do atirador, mas a mídia local o identificou como Samuel Cassidy, 57, que trabalhava na área de manutenção da Autoridade de Transporte do Vale de Santa Clara (VTA), onde o crime aconteceu. Ele atuava na empresa pelo menos desde 2012, de acordo com registros publicados pelo site sem fins lucrativos Transportation California, e ganhava em média US$ 100 mil por ano. A emissora local KTVU-TV afirmou que Cassidy foi casado por 10 anos e se divorciou em 2019.

San Jose, uma cidade com cerca de 1 milhão de habitantes, fica no coração do Vale do Silício, um centro de tecnologia global e lar de algumas das maiores empresas de alta tecnologia da América. 

O presidente Joe Biden foi informado sobre o ataque e sua equipe monitora a situação, mantendo contato próximo com as autoridades locais para oferecer a assistência necessária, disse a Casa Branca. "Nossos corações estão com as vítimas e suas famílias", disse a repórteres a porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre.

A violência armada contra grupos de pessoas, comum no país que tem uma das taxas mais altas de posse de armas de fogo do mundo, aumentou consideravelmente após a calmaria registrada durante o período de lockdown contra a covid-19.

O ataque desta quarta-feira é o mais recente de ao menos oito ataques a tiros nos EUA nos últimos três meses, incluindo uma série de ataques em spas na área de Atlanta em meados de março e um incidente dias depois que deixou 10 pessoas mortas em um supermercado do Colorado. No mês passado, um ex-funcionário de um centro FedEx de Indianápolis matou oito trabalhadores a tiros e depois suicidou-se. /REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.