Mike Stocker/South Florida Sun-Sentinel via AP
Mike Stocker/South Florida Sun-Sentinel via AP

Atirador da Flórida comprou entre sete e dez fuzis, segundo imprensa americana

De acordo com emissoras CNN e CBS, Nikolas Cruz e sua mãe receberam a visita do Departamento de Crianças e Famílias dezenas de vezes após alegações de negligência médica

O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2018 | 14h23

O jovem Nikolas Cruz, de 19 anos, que matou 17 pessoas em um ataque a uma escola da Flórida na quarta-feira 14 teria comprado entre sete e dez fuzis, de acordo com informações das emissoras CNN e CBS. Autoridades americanas tentam agora rastrear essas compras, as quais o atirador teria feito em 2016, segundo uma fonte federal não identificada que falou com a imprensa local.

+ Família que abrigou atirador da Flórida diz que não imaginava que ele seria um ‘monstro’

+ Nikolas Cruz sofria de depressão e outras doenças, diz governo da Flórida

Além disso, a CBS informou na segunda-feira 19 que documentos obtidos pela emissora descrevem Cruz como um menino problemático e ressaltam que a mãe dele - morta por complicações provocadas por pneumonia - tentou evitar que ele saísse do controle.

+ Robôs russos fizeram campanha virtual sobre armas após massacre na Flórida

Os textos apontam também que policiais e funcionários de serviços sociais tentaram intervir na situação de Cruz. Em setembro de 2016, ele e a mãe, Lynda Cruz, receberam a visita do Departamento de Crianças e Famílias da Flórida dezenas de vezes após alegações de negligência médica.

Ainda segundo a CBS, os investigadores do caso descobriram que Cruz sofria de depressão, déficit de atenção e autismo, e chegou inclusive a cortar os braços em um vídeo publicado no Snapchat.

A família que recebeu Cruz em sua casa afirmou que ele era um jovem peculiar, mas que nunca pensou que seria um "monstro". "Nós tínhamos este monstro vivendo debaixo do nosso teto e não sabíamos", afirmou Kimberly Snead, uma enfermeira de 49 anos, ao jornal Florida Sun Sentinel.

Cruz se mudou no fim de novembro para Parkland com James e Kimberly Snead, depois da morte de sua mãe. Ele ficou órfão e era amigo do filho dos Snead.

A família descreveu o jovem como alguém que aparentemente cresceu sem a obrigação de realizar tarefas comuns. Não sabia cozinhar, lavar roupa, arrumar suas coisas ou até mesmo usar o micro-ondas. Segundo o casal, Cruz era um jovem solitário e queria ter uma namorada, mas estava deprimido pela morte da mãe.

"Eu disse que existiriam regras e ele seguiu todas", afirmou James Snead, de 48 anos, um veterano do Exército americano e analista de inteligência militar, segundo o jornal. "Era muito ingênuo. Não era estúpido, apenas ingênuo." / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.