Atirador da Virginia era vítima de ´bullying´, dizem colegas

Muito antes de massacrar 32 pessoas e se suicidar na pior chacina em uma instituição de ensino na história dos Estados Unidos, o atirador da universidade Virginia Tech, Cho Seung-Hui, foi intimidado por colegas quando estava no ensino médio, vítima de um fenômeno conhecido por psicólogos como "bullying". O sul-coreano Cho era atormentado por alunos que caçoavam de sua timidez e de seu modo estranho de falar (com um sotaque de seu idioma original), disseram ex-colegas de classe.Chris Davids, aluno da Virginia Tech que se graduou no colegial com Cho em 2003, relembra que o sul-coreano quase nunca abria a boca e ignorava quando alguém tentava puxar conversa.Uma vez em uma aula de inglês, a professora pediu aos estudantes que lessem em voz alta e, quando foi a vez de Cho, ele apenas olhou para baixo em silêncio, disse Davids. Finalmente, após a professora ameaçá-lo de reprovação, Cho começou a ler com uma voz estranha, profunda e que soava "como se ele tivesse alguma coisa na boca", afirmou Davids."Assim que ele começou a ler, a classe toda riu e apontou pra ele, dizendo ´volte pra China´", lembrou Davids, explicando uma das situações constrangedoras pela qual o garoto passou.Stephanie Roberts, 22, ex-colega de classe de Cho no colegial, disse que nunca presenciou nenhum ato constrangedor a Cho cometido por colegas. "Eu só me lembro dele como um garoto tímido que não queria falar com ninguém", disse. "Eu acho que um monte de gente sentia que havia uma barreira de idiomas". "Mas haviam algumas pessoas que realmente eram malvadas com ele e que zombavam dele e davam risada", disse Roberts. "Ele não falava inglês bem, e todos riam dele".A estudante da Virginia Tech Alison Heck disse que uma colega de quarto, Christina Lilick, achou um misterioso ponto de interrogação no seu quarto, na porta. Lilick ia à mesma escola que Cho. Na primeira aula de literatura, a professora pediu que os alunos escrevessem seus nomes em uma etiqueta e colassem na camiseta. Cho colocou apenas um ponto de interrogação, e começou a ser chamado apenas como "o garoto ponto de interrogação".VídeoOs depoimentos de colegas ajudam a traçar o perfil psicológico do assassino, e podem ajudar a decifrar os propósitos do garoto no vídeo enviado à NBC durante seu crime.No vídeo, Cho se mostra perseguido e irritado com garotos ricos. "Sua Mercedes não era o bastante", disse. "Suas jóias de ouro não eram o bastante, seus esnobes. Sua vodca e seu conhaque não eram o bastante. Todas suas festas não eram o bastante. Essas coisas não foram suficientes para preencher suas necessidades hedonistas. Vocês tinham tudo". "Vocês tinham cem milhões de chances e meios de evitar esse dia", disse Cho no vídeo. "Mas vocês decidiram cuspir meu sangue. Vocês me encurralaram num canto e me deram apenas uma opção. A decisão foi de vocês. Agora vocês tem meu sangue em suas mãos, que nunca será limpo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.