Atirador de Aurora comparece a audiência judicial

James Holmes, o homem acusado de matar 12 pessoas e ferir 58 num cinema do Colorado na sexta-feira, participou de sua primeira audiência nesta segunda-feira. Com aparência confusa e cabelos alaranjados, Holmes não falou durante a breve audiência. Ele será formalmente indiciado na próxima segunda-feira.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2012 | 13h47

Segundo as autoridades, o estudante de 24 anos se recusa a colaborar. Isto significa que pode levar meses até que se descubra o que provocou um dos piores ataques deste tipo na história dos Estados Unidos. A promotora Carol Chambers disse que seu escritório estuda pedir a pena de morte para Holmes. Segundo ela, a decisão será tomada após consultas com as famílias das vítimas.

Holmes é mantido em confinamento solitário desde que foi detido, pouco após os disparos. Ele está preso sob suspeita de assassinato em primeiro grau e pode sofrer novas acusações de ataque e violações no uso de armas. Segundo o chefe de polícia de Aurora, Dan Oates, Holmes começou a comprar armas quase dois meses antes do ataque e recentemente adquiriu 6 mil cartuchos de munição pela internet.

Durante o ataque, ele teria lançado um tipo de gás e usado um rifle semiautomático, uma espingarda e uma pistola, afirmou Oates. O rifle emperrou durante o ataque, o que forçou Holmes a usar outra arma, com menos poder de fogo, afirmou um agente federal à Associated Press. O defeito da arma pode ter salvado algumas vidas.

O apartamento de Holmes estava cheio de fios, artefatos explosivos e líquidos ainda não identificados, o que obrigou o FBI e técnicos do esquadrão antibombas a evacuarem prédios vizinhos no sábado, enquanto desarmavam as armadilhas deixadas por ele.

Os investigadores disseram ter encontrado uma máscara do Batman no apartamento. As autoridades trabalham na apuração do passado do suspeito. O proprietário de um clube de tiro disse à Associated Press que Holmes solicitou a entrada no grupo, mas não se filiou por causa de seus comportamento e da mensagem "bizarra" deixada por ele na caixa postal de seu telefone celular.

Quando Glenn Rotkovich, proprietário do Lead Valley Range, telefonou para Holmes para marcar as aulas de orientação obrigatórias, ouviu a mensagem da caixa postal de Holmes e afirmou que sua voz era "gutural, grotesca, na melhor das hipóteses". Rotkovich disse a seus funcionários que observassem Holmes durante a orientação e que não o aceitassem no clube. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAAuroraJames Holmesatirador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.