El Paso Police Department/REUTERS
El Paso Police Department/REUTERS

Atirador de El Paso admite à polícia que tinha mexicanos como alvos

Depoimento de Crusius confirma intenção no manifesto postado antes do ataque; ele está preso desde sua rendição no sábado passado e investigadores disseram que ele tem cooperado e respondido questões

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2019 | 16h39

EL PASO - O suspeito acusado de matar 22 pessoas em um ataque a um supermercado Walmart em El Paso (Texas) no sábado passado afirmou às autoridades que ele tinha "mexicanos" como alvo e confessou ter sido o atirador quando se rendeu à polícia, momentos depois, segundo detalhes do caso que constam no depoimento à polícia, segundo o Washington Post

Oficiais que responderam aos chamados à cena do crime viram um carro parado próximo do Walmart, segundo escreveu um detetive no documento oficial. Em seguida, viram um homem, identificado como Patrick Crusius, de 21 anos, que saiu do carro com suas mãos para o alto, admitindo ser o atirador, diz o texto. Crusius está sendo processado e pode ser condenado à morte. 

Autoridades disseram acreditar que Crusius é o autor do manifesto postado na internet momentos antes do ataque. Nesse manifesto, ele menciona o que chamou de "invasão hispânica do Texas". 

Agentes federais tratam o ataque como terrorismo doméstico e disseram estar considerando acusações federais sobre crime de ódio contra Crusius.  

Esse foi um dos dois ataques a tiros em massa que ocorreram naquele dia. Apenas 13 horas depois, em Dayton, Ohio, um atirador matou nove pessoas na porta de um bar antes de ser morto pela polícia.  

Crusius está preso desde sua rendição no sábado passado e investigadores disseram que ele tem cooperado e respondido questões. De acordo com o relatório de Garcia, Crusius renunciou ao direito de ter um advogado ao dar seu depoimento, contando que viajou de Allen, no subúrbio de Dallas, com um fuzil de assalto e muita munição. 

"Uma vez dentro da loja, o atirador abriu fogo usando seu fuzil AK-47 atirando contra inúmeras vítimas inocentes", escreveu Garcia. O detetive acrescenteu que Crusius afirmou que seus alvos eram "mexicanos". 

Segundo o Post, um advogado designado para Crusius não respondeu imediatamente ao pedido para comentar sobre o depoimento. / W. POST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.