Atirador de escola no Colorado deixou carta a irmão

O atirador Duane Morrison enviou uma longa carta a um irmão alertando sobre sua morte antes de fazer seis garotas como reféns, matar uma delas e tirar sua própria vida em uma escola americana na última quarta-feira, disseram investigadores nesta sexta-feira."Esta não é uma nota suicida nem um diário", disse o xerife responsável pelo caso, Fred Wegener."Entretanto, muitas vezes, a carta se refere a suicídio. Este documento claramente confirma sua iminente morte. Ela também é um pedido de desculpas a sua família pelas ações que ocorreram". Mas não há referência ao Colégio Platte Canyon ou a qualquer escola, nem há referência de tempo, disseram autoridades, deixando investigadores sem qualquer conexão entre Morrison e esta cidade montanhosa a 56 km ao sudoeste de Denver. Descobrir o motivo Até o momento, as autoridades locais ainda não encontraram nenhuma conexão entre Duane Morrison e as garotas que ele deteve por quatro horas antes do trágico desfecho ocorrido na quarta-feira na escola secundária Platte Canyon, em Bailey, no Estado americano do Colorado."Eu quero conseguir descobrir se o ataque foi aleatório ou deliberado", disse o xerife em entrevista concedida na manhã desta sexta-feira à emissora americana de televisão CBS.Na quinta-feira, Wegener comentou que o suspeito abordou um aluno da escola e "fez perguntas sobre uma série de garotas". O xerife não tinha certeza, porém, se ele levava o nome das meninas por escrito ou se apenas perguntou ao aluno abordado quem eram elas e onde encontrá-las.Também não se sabe se a jovem Emily Keys, morta pelo atirador, foi citada por ele na conversa com esse aluno.Morrison matou Emily e suicidou-se no momento em que tropas de elite invadiram a sala de aula numa tentativa de resgatar a menina e uma outra estudante ainda mantidas reféns. Horas antes, quatro das seis meninas dominadas por Morrison haviam sido libertadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.