Atirador de escola nos EUA molestou sexualmente algumas de suas vítimas

O homem armado que fez seis meninas reféns em uma sala de aula de uma escola secundária nos Estados Unidos, matando uma delas e suicidando-se em seguida, abusou sexualmente de algumas de suas vítimas, disse nesta quinta-feira (28) Fred Wegener, xerife do condado de Park, no Estado americano do Colorado."Ele traumatizou e abusou de algumas de nossas crianças", disse hoje Wegener. "Tenho a dizer apenas que o ataque teve natureza sexual", prosseguiu ele sem fornecer mais detalhes sobre essa parte da investigação.O xerife também aproveitou o contato com jornalistas para identificar o suspeito de Duane R. Morrison, de 53 anos, morador da região de Denver. Segundo Wegener, os investigadores do caso ainda não estabeleceram nenhuma conexão prévia entre o agressor e suas vítimas.De acordo com as investigações iniciais, Morrison deixou quatro das seis meninas saírem da sala de aula pouco antes de a polícia invadir a escola secundária Platte Canyon, em Bailey, no Colorado.No desfecho, quando a sala de aula onde duas meninas ainda eram mantidas reféns foi invadida pela polícia, o agressor matou uma delas e suicidou-se em seguida. A outra garota escapou.A vítima do agressor foi identificada como Emily Keyes, de 16 anos. Ela morreu em um hospital de Denver pouco depois de ser socorrida. Não se sabe se Emily conhecia o agressor.Wegener disse que Morrison não fez nenhuma exigência além de: "Deixem-me em paz. Saiam daqui".Questionado sobre a decisão de invadir a sala, Wegener justificou: "Como xerife de uma comunidade pequena, conhecendo todos os pais, todas as crianças - minha filha se formou lá no ano passado e meu filho ainda estuda ali -, é muito difícil. Eu gostaria que quem quer que estivesse no meu lugar tomasse a mesma decisão (...) para salvar vidas".Morrison deu início ao ataque ordenando aos estudantes que se enfileirassem na frente da lousa e dizendo que levava explosivos em uma mochila. Com a arma, ele apontava quem podia sair e quem teria que ficar, relatou mais cedo um aluno da turma atacada.Cassidy Grigg, de 16 anos, contou que o homem entrou na sala e disparou um tiro para o chão. Primeiro ele liberou todos os garotos e ordenou às meninas que permanecessem na sala."Pode-se dizer que ele queria as meninas", comentou Cassidy em entrevista concedida à emissora de televisão NBC nesta quinta-feira.Ainda segundo ele, ninguém conhecia o agressor, que parecia estar vestido como um aluno.Hoje, a escola secundária de Bailey, no Estado americano do Colorado, estava fechada por causa do ataque de ontem e assim permanecerá pelo resto da semana."Nós somos uma comunidade em luto", disse Jim Walpole, superintendente das escolas da região. "Nossos pensamentos estão com os alunos, com os funcionários e seus familiares, especialmente com a família da aluna morta."Bailey situa-se a apenas algumas dezenas de quilômetros de Littleton, onde fica Columbine, a escola secundária onde dois estudantes executaram 13 colegas e professores antes de se suicidarem em abril de 1999.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.