Atirador de Washington é sentenciado a 6 prisões perpétuas

O atirador de Washington John Allen Muhammad foi condenado nesta quinta-feira a seis penas de prisão perpétua consecutivas sem possibilidade de liberdade condicional. Tal sentença foi descrita por promotores de Maryland como uma garantia de que ele seja punido caso sua sentença de morte no Estado de Virginia seja derrubada."Você, senhor Muhammad, não tem esperanças. Você não tem futuro. Você passará todos os dias do resto da sua vida preso em uma prisão", disse James Ryan, juiz do condado de Montgomery. Muhammad não demonstrou nenhuma emoção, mas permaneceu cabisbaixo durante o anúncio da sentença. Algumas pessoas presentes no tribunal aplaudiram.Muhammad, de 45 anos, foi condenado na terça-feira por seis de dez ataques mortais que aterrorizaram Maryland durante três semanas em outubro de 2002. Seu jovem cúmplice, Lee Boyd Malvo, testemunhou no julgamento de Maryland e disse pela primeira vez aos jurados como o homem mais velho o treinou para atirar. Além disso, o jovem contou que o réu o colocou em um plano para matar indiscriminadamente pessoas. Malvo deu detalhes sobre o plano-mor de Muhammad: matar seis pessoas diariamente durante 30 dias e, então, plantar explosivos em ônibus escolares com o intuito de atingir crianças. Muhammad teria treinado menores abandonados com armas para, depois, mandá-las fechar o comércio de cidades com tiros e bombas.Por ter despedido seus advogados em março, Muhammad defendeu a si próprio durante o julgamento. Ele questionou a credibilidade de Malvo dizendo que o rapaz de 21 anos, o qual ele ainda chama de filho, tem problemas de memória e de exagero. Ele notou que o jovem, que acusou Muhammad em quase todos os tiroteios, anteriormente teria confessado a investigadores que tinha sido o atirador em todos os 13 tiroteios.Durante sua breve defesa e seu demorado argumento conclusivo, Muhammad afirmou que foi vítima dos investigadores, que teriam plantado e fabricado evidencias. Ele disse que foi vítima de uma ampla investigação envolvendo forças policiais. Porém, os jurados discutiram por menos de cinco horas antes de considerar Muhammad culpado. Um jurado afirmou após o veredicto que Muhammad falhou ao desacreditar as fortes evidências que os promotores apresentaram contra ele. Outros Estados ainda têm acusações em andamento contra Muhammad por crimes ocorridos antes do tiroteio. Caberá ao Estado da Virginia decidir se manda ou não o réu para os outros Estados para futuros julgamentos.Malvo, que deverá considerar-se culpado pelos mesmos seis assassinatos de Maryland, permanecerá preso em Maryland até seu julgamento, que ocorrerá em outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.