R.J. Sangosti/Arquivo/AFP
R.J. Sangosti/Arquivo/AFP

Atirador do Colorado é indiciado por 24 crimes de assassinato

James Holmes é acusado de matar 12 pessoas e ferir 58, após disparar durante exibição de novo filme do 'Batman'

estadão.com.br,

30 de julho de 2012 | 13h53

Texto atualizado às 18h29

 

CENTENNIAL, COLORADO - A procuradoria do Estado do Colorado, nos EUA, indiciou nesta segunda-feira, 30, James Holmes por 24 acusações de assassinato. O ex-aluno de doutorado também foi oficialmente acusado por 116 crimes de tentativa de homicídio e posse de explosivos, depois que a polícia encontrou bombas em seu apartamento.

 

Veja também:

linkAtirador do Colorado enfrenta acusações formais

linkMassacre expõe tabu sobre arsenais nos EUA

som Colorado não aplica pena de morte desde 1976

 

Ao todo, a Justiça apresentou 142 acusações formais contra Holmes, durante sua segunda aparição diante do juiz desde que foi preso, momentos após o tiroteio, na madrugada do dia 20 de julho, em um cinema da cidade de Aurora.

 

O atirador, de 24 anos, é acusado de ter disparado contra a plateia durante a exibição do mais recente filme da série do 'Batman', matando 12 pessoas e ferindo 58. Segundo a AFP, ele foi indiciado duas vezes para cada um dos mortos: uma por homicídio em primeiro grau e outra em segundo, "devido à extrema indiferença com o valor da vida humana".

 

O ataque é um dos tiroteios mais sangrentos do país nos últimos anos. Segundo analistas jurídicos, o caso deve girar principalmente em torno do estado mental do réu. Documentos judiciais apresentados na sexta-feira pelos advogados de defesa apontam que o suspeito estava sob os cuidados da psiquiatra Lynne Fenton, do corpo docente da faculdade de Medicina do campus de Anschutz, da Universidade de Colorado.

 

Holmes está preso sem direito a fiança e é mantido em uma cela isolado, como forma de proteger sua própria segurança. Em sua audiência inicial, uma semana atrás, Holmes não disse nada e parecia confuso e tonto, às vezes fechando os olhos como se lutasse contra o sono. Houve quem disse que ele estava sob efeito de remédios sedativos.

 

O juiz distrital do condado de Arapahoe, William Sylvester, proibiu qualquer pessoa ligada ao caso de falar com a imprensa.

 

Com AP, AFP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.