Kaitlin McKeown/The Virginian-Pilot via AP)
Kaitlin McKeown/The Virginian-Pilot via AP)

Atirador em centro municipal da Virgínia mata ao menos 12

Funcionário municipal atira contra colegas de trabalho em prédio da prefeitura de Virginia Beach, fere quatro pessoas e é morto pela polícia

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2019 | 20h01
Atualizado 01 de junho de 2019 | 09h55

VIRGINIA BEACH, EUA - Pelo menos 12 pessoas foram mortas e 4 feridas por um atirador no centro administrativo municipal da cidade de Virginia Beach, no Estado americano de Virgínia. O chefe de polícia de Virginia Beach, Jim Cervera, explicou que o atirador, identificado como DeWayne Craddock, foi morto por um policial após atirar contra ele. O policial foi atingido, mas seu colete à prova de balas o salvou. 

Um porta-voz da polícia local, Allen Perry, informou que a polícia foi chamada ao Prédio 2 do complexo administrativo municipal. O complexo, onde fica a Prefeitura, contém 25 prédios. O Departamento de Polícia publicou uma série de posts no Twitter informando que estava respondendo ao ataque. 

Um funcionário do local afirmou ao canal Wavy News que seus colegas estavam sentados em suas mesas no terceiro andar quando começaram a ouvir os tiros. A testemunha disse ter visto uma mulher ferida nas escadas. 

A polícia informou que o atirador disparou indiscriminadamente e confirmou que se tratava de um atual funcionário da administração municipal que trabalhava no local havia muito tempo. 

“Esse é o dia mais devastador na história de Virginia Beach”, disse o prefeito Bobby Dwyer. “As pessoas envolvidas são nossos amigos, colegas, vizinhos.”

O governador do Estado, o democrata Ralph Northam, tuitou sobre o ataque. “Minha equipe e eu estamos monitorando a situação ativa em Virginia Beach. Por favor, fique longe da região e siga as instruções da polícia”, escreveu o governador.

A vereadora Barbara Henley afirmou ao Virginian-Pilot que ela tinha acabado de deixar o prédio da Prefeitura quando percebeu que funcionários municipais estavam do lado de fora usando seus telefones celulares. Alguém então afirmou a ela que estava ocorrendo um ataque a tiros e ela deveria deixar o local. 

Ela disse ter corrido para seu carro quando um homem passou gritando pedindo para que todos se abaixassem, momento em que houve pânico geral. “Eu estava muito assustada”, relatou ela ao jornal. 

Segundo o Virginian-Pilot, o ataque ocorreu quando os funcionários já preparavam para encerrar o expediente e deixar o local.

Megan Blanton, de 30 anos, contou ao jornal que estava dentro do prédio quando o atirador começou a disparar. Ela disse que seu supervisor puxou ela e outros funcionários para dentro de seu escritório e empurrou uma mesa para prender a porta, enquanto ela ligou para o número da emergência 911. / COM W. POST, EFE e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.