Atirador em fúria mata 12 e fere 59 ao abrir fogo em cinema do Colorado

Massacre. Universitário de 24 anos James Holmes disparou a esmo com fuzil AR-15 e pistolas contra plateia em estreia de filme do Batman em shopping na região metropolitana de Denver; segundo a polícia, ele alegou em depoimento ser o personagem Coringa

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h00

Ao menos 12 pessoas morreram e 59 ficaram feridas, incluindo um bebê de 4 meses, ao serem alvo de um atirador logo após a meia-noite de ontem (horário local). O ataque ocorreu no início da exibição do novo filme do Batman em um cinema de Aurora, cidade de 325 mil habitantes na área metropolitana de Denver, no Colorado. A polícia prendeu o atirador, James Holmes, de 24 anos. Em depoimento, ele disse ser o personagem Coringa.

As mortes chocaram a população americana, que parou para acompanhar as notícias sobre mais um episódio envolvendo atiradores solitários disparando indiscriminadamente. Ao redor do país, no mesmo instante do massacre, dezenas de milhares de pessoas também assistiam à pré-estreia de Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge.

O atirador estava abandonando o doutorado em Neurociência na Universidade do Colorado. Ele foi detido quando caminhava na direção do seu carro no estacionamento de um complexo de cinemas de um shopping em Aurora. A cidade fica a 30 quilômetros da Escola Columbine, onde ocorreu um outro marcante massacre, em 1999, quando dois estudantes mataram 13 colegas.

De acordo com testemunhas, Holmes entrou no cinema com uma máscara contra gás, um colete e um capacete à prova de balas, além de protetor para as pernas. Caminhando normalmente, ele carregava um fuzil AR-15 e três pistolas, entre outras armas. Depois de lançar bombas de gás, disparou contra os espectadores. Entre as vítimas, havia, além do bebê, pessoas de até 45 anos e vários membros das Forças Armadas americanas.

"Quando saímos do cinema, estava o caos. Jorrava sangue de uma menina. Havia marcas de balas nas costas de pessoas sangrando", disse Donovan Tate, uma testemunha, a uma rede de TV local. Na CNN, uma menina disse ter escapado por pouco depois de o atirador apontar a arma para sua cabeça. Jordan Crofter afirmou que o atirador "parecia pronto para ir para uma batalha". "Ele estava andando normalmente e parecia ter prazer."

Outro espectador afirmou ter imaginado que a cena fizesse parte do filme. Segundo a testemunha Chandler Brannon, em relato para a agência de notícias Reuters, o ataque ocorreu 20 minutos depois de o filme ter começado. "Eu disse para a minha namorada se fingir de morta." Os dois escaparam sem ferimentos.

Depois de prender o atirador e socorrer as vítimas, a polícia interditou os arredores do apartamento onde Holmes viveria. Até a noite de ontem, um esquadrão antibomba tentava desarmar com a ajuda de robôs uma série de explosivos sofisticados montados pelo atirador na residência. De acordo com o FBI (a polícia federal dos EUA), Holmes agiu sozinho, sem cúmplices ou ligações com grupos terroristas. Sua família lamentou as mortes e pediu privacidade.

A Warner Bros, estúdio responsável pela produção filme, lamentou as mortes e retirou dos cinemas o trailer do filme Caça aos Gângsters, no qual um grupo fuzila pessoas em uma sessão de cinema.

Emissoras de TV relataram e aumento na segurança dos cinemas dos EUA - assim como em outros países. Fãs fantasiados foram proibidos pela polícia de usar máscaras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.