Atirador fez disparos por 1h30 em ilha da Noruega

OSLO - O homem que abriu fogo contra um grupo de jovens acampados numa ilha ao norte de Oslo, capital da Noruega, na sexta-feira, 22, realizou disparos durante uma hora e meia antes de se render a um grupo especial da polícia, que chegou 40 minutos depois de ter sido chamado.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2011 | 15h53

 

Veja também:

linkPerfil: Suspeito tem opiniões de extrema-direita

linkMortos em ataques chegam a 92

 

Sobreviventes disseram que se esconderam e fugiram nadando da ilha para escapar do atirador, mas as declarações da polícia neste sábado representam o primeiro detalhamento sobre quanto tempo durou o ataque e quanto tempo demorou até a chegada da ajuda policial.

 

Quando a polícia chegou, o atirador, que tinha duas armas, se rendeu, disse o chefe de polícia Sveinung Sponheim. "Houve problemas com o transporte para a ilha de Utoya", onde um grupo da juventude do Partido Trabalhista estava acampado, disse Sponheim. "Foi difícil conseguir os barcos, mas o problema foi resolvido quando o grupo especial da polícia chegou".

 

Pelo menos 85 pessoas foram mortas na ilha, mas a polícia disse que quatro ou cinco pessoas ainda estão desaparecidas. Mergulhadores fazem buscas nas águas ao redor da ilha.

 

Ataques coordenados

 

O ataque ocorreu após uma explosão no centro de Oslo, onde sete pessoas morreram. A polícia ainda realiza buscas no prédio do governo, que foi seriamente afetado, e segundo Sponheim ainda há partes de corpos no local.

A polícia não divulgou o nome do suspeito do ataque à ilha, nas a emissora norueguesa NRK o identificou como Anders Behring Breivik, de 32 anos. As autoridades ainda não identificaram a razão do ataque, mas disseram que ele visitou sites de fundamentalistas cristãos e pertenceu à juventude de um partido de direita.

 

A polícia afirmou que o atirador depôs e que admitiu ter feito os disparos na ilha. Segundo os policiais, ele contratou um advogado, mas seu defensor não quer que seu nome seja divulgado. A família real norueguesa e o primeiro-ministro fizeram visitas aos parentes das vítimas das dezenas de jovens assassinados.

 

O primeiro-ministro Jens Stoltenberg disse que os dois ataques de ontem foram os mais sangrentos dos tempos de paz no país. "Isto é além da compreensão. É um pesadelo. Um pesadelo para os que foram mortos, para suas mães e pais, familiares e amigos".

 

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
Noruegaatiradorexplosãomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.