Atirador invade escola e mantém dois reféns nos EUA

Um homem armado invadiu nesta quarta-feira uma escola de ensino médio em uma pequena cidade nas montanhas do Colorado, nos Estados Unidos, deu ao menos dois tiros e fez seis alunos como reféns, informaram autoridades. Centenas de estudantes tiveram que ser retirados do estabelecimento, em uma cena que despertou a incomoda lembrança do horror vivido ha sete anos na escola de Columbine, a poucos quilômetros dali.Não há informações sobre feridos, mas quatro dos seis alunos mantidos reféns inicialmente foram soltos em bom estado de saúde. Ainda assim, duas garotas permaneciam em poder do seqüestrador três horas após a invasão, disse a porta-voz do xerife do Condado de Jefferson, Jacki Kelley.Ainda segundo o escritório do xerife, o atirador é provavelmente um homem adulto. Kelley não falou o nome das reféns, mas disse acreditar que elas estão bem.Segundo a funcionária da secretaria de Educação da cidade Jan Howard, centenas de estudantes da escola de ensino médio Platte Canyon e de instituições de ensino adjacentes foram levados para locais seguros.Howard explicou que a retirada aconteceu depois que um barulho muito alto foi ouvido. "Não sei dizer o que era", ressaltou. Ela disse também que a única estrada que dá acesso à escola teve que ser interditada.Kelley confirmou que o esvaziamento do estabelecimento se deu depois que tiros foram ouvidos. Um esquadrão antibombas e reforços policiais foram enviados para o local."Temos a informação de que tiros foram dados", disse Kelly.Passado obscuroAs autoridades do Condado Jefferson estão familiarizadas com ataques deste tipo: em 1999, o xerife da localidade foi o responsável por lidar com o episódio que ficou conhecido como "massacre de Columbine", quando 13 estudantes foram mortos por dois atiradores suicidas."Estou aterrorizada", disse Sherry Husen, mãe de um menino que treina pelo time de futebol americano da escola e que foi avisado para não retornar ao estabelecimento após sair de seu trabalho. "Eu conheço tantas crianças daquela escola."A escola fica em um canyon estreito a cerca de 56 quilômetros de Denver e tem com cerca de 770 alunos.Sherry conta ter se mudado para Bailey após deixar Denver em busca de sossego há 14 anos. "Nos mudados para a solidão da montanha pois eu nunca imaginava que uma coisa dessas poderia acontecer nesta escola. Mas acontece em qualquer lugar", disse ela.Outras escolas foram colocadas em alerta, e os estudantes não poderão deixar os estabelecimentos até que os administradores determinem que a situação está segura.Embora os pais das crianças pressionem as autoridades para obter detalhes sobre a situação, poucas informações foram transmitidas pelas autoridades. Bill Twyford disse ter recebido uma mensagem de seu filho de 15 anos, que estuda no colégio. "Olá, está havendo um seqüestro na escola. Apesar da situação ruim, estou bem", dizia o texto.Twyford conta que não recebeu notícias sobre seu filho desde então, e disse estar angustiado pois não sabe se ele estava entre os reféns.Os estudantes foram levados para uma outra escola próxima ao local para a realização de uma contagem. Ambulâncias foram vistas nas redondezas.Texto atualizado às 19h06

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.