KABC-7 via AP
KABC-7 via AP

Ataque a tiros em universidade nos EUA onde seleção brasileira treinaria deixa 2 mortos

Treinamento de ontem, parte da preparação da equipe brasileira para a Copa América, foi suspenso e a polícia ainda investigava horas depois as motivações e circunstâncias do crime

Almir Leite e Gonçalo Junior, Enviados Especiais / Los Angeles, O Estado de S. Paulo

01 Junho 2016 | 15h45

Um ataque ocorrido na manhã desta quarta-feira no prédio de Engenharia da Universidade da Califórnia em Los Angeles (Ucla) terminou com dois mortos. Uma das vítimas foi identificada como o professor de engenharia William S. Klug, casado e pai de duas crianças pequenas. O aluno suicida, que estaria descontente com a notas, não teve o nome revelado. A seleção brasileira de futebol, que treinaria na Ucla horas após o ataque, transferiu a atividade para outro local.

O ataque ocorreu por volta das 9h50, horário local (13h50 em Brasília). De acordo com a polícia, o atirador entrou na universidade pelo acesso sul do câmpus. O ataque a tiros ocorreu no Boetter Hall, prédio da Faculdade de Engenharia, de acordo com o chefe de polícia de Los Angeles, Charlie Beck. O edifício fica na região central do câmpus da Ucla.

“Encontramos os dois mortos dentro de um dos prédios”, afirmou o policial James Herren.

Antes da confirmação do assassinato seguido de suicídio, centenas de policiais de Los Angeles e de equipes da Swat fizeram uma varredura em todos os prédios da universidade. “Estamos vasculhando cada canto da universidade para garantir a segurança dos estudantes e dos funcionários.”

Equipes do FBI e 11 viaturas de bombeiros também foram para o câmpus da Ucla. O sargento Guillermo Preciado, da polícia de Los Angeles, disse logo após o ataque que não se sabia se ele havia sido foi feito por alunos, professores ou invasores do câmpus. “No edifício onde encontramos as vítimas havia mais de 500 estudantes”, afirmou.

Os jovens foram comunicados por mensagem de texto para que deixassem os prédios assim que fosse possível. No entanto, a maioria ficou em suas salas de aula e também em alojamentos – muitos moram na própria universidade.

Segundo relatos, durante momentos de pânico, muitos estudantes chegaram a fazer barricadas nas portas de suas salas para evitar que elas fossem invadidas. Pouco mais de duas horas depois dos tiros, a polícia considerou que a segurança estava restabelecida e os estudantes foram liberados para deixar as dependências da universidade.

Seleção. A Ucla foi o local escolhido pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para alguns dos treinos da seleção brasileira antes da estreia na Copa América Centenário. Após o ataque desta quarta-feira, a confederação definiu que o time voltaria ao local onde estava treinando anteriormente. 

Em nota, a entidade confirmou que a equipe de Dunga seguirá sua preparação para o torneio no centro de treinamento do StubHub Center.

Mais conteúdo sobre:
Estados UnidosLos Angeles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.