Atirador mata 4 pessoas em escola judaica na França

Um pai e seus dois filhos estão entre as quatro pessoas mortas por um atirador em frente de uma escola judaica Ozar Hathora Jewish, em Toulouse, no sul da França, afirmou o promotor da cidade, Michel Valet. O tiroteio ocorreu por volta das 8h10 (horário local) desta segunda-feira e um funcionário da polícia nacional em Paris disse que o atirador dirigia uma moto.

CLARISSA MANGUEIRA, Agência Estado

19 de março de 2012 | 08h31

Segundo Valet, um homem, que tinha 30 anos de idade, e seus filhos de 3 e 6 anos foram mortos assim que as aulas tiveram início na escola. Ele afirmou que outra criança, que tinha entre 8 e 10 anos, também morreu e uma pessoa de 17 anos tinha sido gravemente ferida.

A polícia isolou a escola privada, localizada no nordeste do Toulouse, e cerca de duas horas após os disparos, as crianças ainda estavam na escola.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, acompanhando pelo presidente da CRIF, grupo de que representa as organizações judaicas, estavam se dirigindo para o local, informaram o escritório do presidente francesa e o órgão.

O Ministério do Interior da França ordenou que a segurança fosse elevada em todos os prédios judeus no país após o tiroteio. "Ordens foram dadas a chefes de polícia...para que reforcem a vigilância em torno de todos os edifícios religiosos na França, especialmente nas escolas judaicas", afirmou o porta-voz do Ministério Pierre-Henry Brandet à agência de notícias AFP.

O tiroteio aconteceu na mesma área onde um homem armado em uma motocicleta abriram abriu fogo contra em três paraquedistas fardados em um caixa de um banco na quinta-feira, matando dois

e ferindo um gravemente. O ataque ocorreu na cidade de Montauban, não muito longe do quartel dos soldados. Quatro dias antes, um homem armado em uma motocicleta matou a tiros um outro paraquedista em Toulouse, a cerca de 50 quilômetros de distância.

Autoridades disseram que uma análise forense mostrou que a mesma arma foi usada nos tiroteios em Montauban e Toulouse. Sarkozy disse, contudo, que é muito cedo para dizer se os três tiroteios estão relacionados. "Há algumas semelhanças, mas é muito cedo para dizer se há uma ligação real ou não. Apenas a polícia e o judiciário vão nos dizer que conclusões tirar", afirmou o presidente francês a uma rádio.

O governo de Israel disse que estava "horrorizado" com o tiroteio. "Estamos horrorizados com este ataque e nós confiamos que as autoridades francesas vão esclarecer esta tragédia e levar os responsáveis por esses assassinatos à Justiça", disse o porta-voz do ministério dos Relações Exteriores israelita Yigal Palmor disse à AFP. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Françatiroteioescola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.