Atirador norueguês diz que agiu sozinho

País chora seus mortos; suspeito diz que ataques foram 'necessários.'

BBC Brasil, BBC

24 de julho de 2011 | 08h51

O suspeito de ter cometido os ataques que mataram pelo menos 92 pessoas na Noruega disse que agiu sozinho, afirmou neste domingo a polícia do país.

Anders Behring Breivik, um suposto extremista de direita de 32 anos de idade, disse ter cometido tanto o ataque à bomba na capital, Oslo, que matou sete pessoas e o massacre de outras 85 em um campo para jovens na ilha de Utoeya, ambos na sexta-feira.

O número de vítimas fatais pode ainda subir já que há pelo menos quatro pessoas desaparecidas e outras 97 foram feridas.

O chefe de polícia Sveinung Sponheim disse que Breivik "admitiu tanto o ataque à bomba como os tiros, embora não esteja admitindo culpa criminal".

"Ele diz ter agido sozinho, mas a polícia precisa verificar tudo o que ele diz. Alguns dos testemunhos coletados na ilha nos fez questionar se havia um ou mais atiradores", disse ele.

Sponheim disse que a polícia não procura ninguém mais no momento e que Breivik vem cooperando com o interrogatório.

Ele deve aparecer perante um tribunal na segunda-feira.O policial confirmou que o tempo máximo que Breivik permaneceria preso, segundo as leis norueguesas, é de 21 anos.

Funeral

Neste domingo aconteceram funerais das vítimas em diversas partes do país, inclusive na principal catedral luterana norueguesa, em Oslo.

O rei norueguês Haroldo V e sua esposa, a rainha Sônia, estiveram na catedral junto com o primeiro-ministro, Jens Stoltenberg.

Stoltenberg disse aos presentes que os dois dias desde o ataque parecem "uma eternidade e as noites são repletas de angustia e lágrimas".

"Cada um dos que nos deixaram é uma tragédia. Uma tragédia nacional", disse o premiê.

Justificativa

O advogado de Breivik, Geir Lippestad, disse que o ataque foi planejado por algum tempo.

"Ele considerou ser uma crueldade ter que cometer estes atos, mas em sua mente, eram necessários", disse o advogado à imprensa norueguesa.

"Ele queria uma mudança na sociedade e, desta perspectiva, ele precisava pressionar por uma revolução. Ele queria atacar a sociedade e sua estrutura."

O atirador foi preso com a chegada da polícia, cerca de 90 minutos após o início do massacre no campo de verão para a juventude organizado pelo Partido Trabalhista.

Lippestad disse que Breivik se rendeu quando sua munição acabou.

Ele disse ter ido até Uoeya para "dar um aviso ao Partido Trabalhista que o dia do juízo final está próximo a menos que eles mudem suas políticas".

O advogado disse que seu cliente permaneceu calmo durante o interrogatório de dez horas.

"Acredito que ele percebe o que fez e se considera capaz mentalmente", disse ele.

Templários

Acredita-se que o suspeito tenha ligações com grupos extremistas de direita. Imagens suas portando uma arma apareceram em um vídeo anti-islâmico chamado Knights Templar 2083 divulgado no site Youtube.

Um documento de 1.500 páginas em inglês e atribuído a Breivik foi publicado na internet horas antes do ataque, sob o pseudônimo de Andrew Berwick.

O vídeo e o documento fazem referencias ao multiculturalismo e a imigração de muçulmanos.

O autor se diz ser um seguidor dos templários, ordem cristã medieval envolvida nas cruzadas e por vezes reverenciada por defensores da supremacia branca.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.