Emilio Morenatti/AP
Emilio Morenatti/AP

Atirador norueguês pede desculpas por atos 'necessários'

Breivik acredita ter iniciado guerra de décadas contra o islamismo, diz advogado

BBC

26 de julho de 2011 | 11h12

OSLO - O advogado do norueguês Anders Behring Breivik, disse nesta terça-feira, 26, que seu cliente pede desculpas pelos ataques que mataram ao menos 76 pessoas, mas disse que estes eram necessários para iniciar uma guerra no mundo ocidental. "Ele disse que isso era necessário para começar uma guerra aqui e na Europa e no mundo ocidental. Portanto, ele pede desculpas por algo necessário", disse Geir Lippestad à repórteres em Oslo.

 

Veja também:

linkBreivik pode ser acusado por crimes contra humanidade

linkInício do conteúdo ''Não devemos ceder à paranoia'', diz educador

linkExtremista aponta 'malefícios' da miscigenação no Brasil

linkAtirador estava na lista de serviço secreto

mais imagens GALERIA: A 'Marcha das Rosas' de Oslo

blog ARQUIVO: Relembre ataques na Europa

A guerra já foi mencionada em um manifesto de 1.500 páginas atribuído ao extremista cristão de direita de 32 anos de idade, entitulado 2083, ano em que terminaria o suposto conflito ideológico entre o ocidente e o islamismo.

O advogado afirmou que Breivik é provavelmente insano, embora diga ser ainda cedo para dizer se ele alegará insanidade. "O caso todo indica que ele é insano", disse Geir Lippestad. O acusado será submetido a uma avaliação psicológica para atestar suas condições psiquiátricas.

O advogado disse que Breivik afirmou integrar uma rede anti-islâmica que possui duas células na Noruega e várias no exterior, afirmação que a polícia disse duvidar, mas está investigando.

Drogas

Lippestad disse que seu cliente usou "alguns tipos de drogas" antes dos crimes da sexta-feira, para mantê-lo "forte e eficiente". Breivik se surpreendeu de não ter sido morto durante os ataques ou rumo ao tribunal onde teve uma audiência na segunda-feira, disse o advogado.

Lippestad já defendeu um extremista de direita que condenado em 2002 a 17 anos de prisão pelo assassinato, motivado por racismo, de um garoto de 15 anos, cujo pai era africano.

Breivik aceitou responsabilidade pelos ataques mas negou as acusações de terrorismo. Ele é acusado de terrorismo e a Justiça norueguesa disse cogitar acusá-lo de crimes contra a humanidade, acusação que pode levar a uma sentença de até 30 anos de prisão. Breivik deve permanecer detido por oito semanas, as quatro primeiras em isolamento.

Na segunda-feira, calcula-se que 250 mil pessoas tenham saído às ruas de Oslo levando flores em memória das oito pessoas mortas na capital e das 68 que morreram no campo para jovens na ilha de Utoya.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.