AP
AP

Atirador que matou 9 na Alemanha queria 'extermínio completo' de 'muitas raças e culturas'

Ataque vitimou turcos, curdos e outros imigrantes; Tobias Rathjen mantinha site onde publicava teorias da conspiração e culpava governo por não ter relacionamento com uma mulher

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2020 | 18h57

O alemão que matou nove pessoas de origem estrangeira em um ataque a tiros na quarta-feira, 19, havia postado um discurso online pedindo o "extermínio completo" de muitas "raças e culturas em nosso meio", informaram as autoridades alemãs nesta quinta-feira, 20. A chanceler alemã Angela Merkel disse que o ataque expôs o "veneno" do racismo no país.

O atirador, Tobias Rathjen, 43, foi encontrado morto em sua casa junto com sua mãe, e as autoridades disseram que estavam tratando o ataque como um ato de terrorismo doméstico.

Turcos, curdos e imigrantes originários da Bulgária, Bósnia e Romênia estavam entre os mortos, segundo informações da imprensa. O embaixador da Turquia disse que cinco dos mortos eram cidadãos turcos, que constituem a maior minoria da Alemanha.

Rathjen abriu fogo em um bar de narguilé e em um café vizinho no subúrbio de Hanau, perto de Frankfurt, por volta das 22h do horário local (18h no horário de Brasília), matando várias pessoas. O agressor percorreu cerca de 2,5 quilômetros e disparou contra um carro e um bar esportivo. Além dos mortos, seis pessoas ficaram feridas, uma delas com gravidade. 

Os salões de narguilé são lugares onde as pessoas se reúnem para fumar tabaco com sabor em cachimbos de água do Oriente Médio. Metin Kan, que conhecia muitas das vítimas, disse que era óbvio o motivo pelo qual o atirador escolheu o bairro.

"Olhe, um bar de narguilé ali, uma sala de jogos lá, um lugar para comer kebab lá - é um lugar frequentado por imigrantes", disse ele. "Por que esse ódio aos estrangeiros? Todos nos damos bem aqui."

Kadir Kose, dono de um café nas proximidades, disse que ficou chocado com a extensão da violência: "Este é um nível totalmente diferente, algo que ouvimos que acontece nos Estados Unidos".

O derramamento de sangue ocorreu em meio a preocupações crescentes com a violência de extrema direita na Alemanha e intensificou os esforços para reprimi-la, incluindo a detenção na semana passada de uma dúzia de homens por suspeita de planejamento de ataques contra políticos e minorias.

"Esse veneno existe em nossa sociedade e é responsável por muitos crimes", disse Merkel, citando os assassinatos de 10 pessoas em todo o país entre 2000 e 2007 por uma gangue de extrema-direita, o tiro fatal no ano passado em um político regional do partido e um ataque mortal do lado de fora de uma sinagoga em Halle, no Yom Kipur, em outubro.

Ela prometeu se levantar contra aqueles que buscam dividir o país. "Há muito para indicar que o autor agiu por motivos racistas extremistas de extrema-direita", disse ela. "Por ódio por pessoas de outras origens, outras religiões ou aparência diferente."

Enquanto os investigadores disseram que parecia que o atirador agiu sozinho, o promotor federal da Alemanha, Peter Frank, disse que as autoridades estão tentando descobrir se havia outras pessoas que sabiam ou apoiavam o ataque. Ele acrescentou que o escritório está investigando quaisquer contatos que o assassino possa ter tido na Alemanha ou no exterior.

Peter Beuth, ministro do Interior do estado de Hesse, disse que não parece que Rathjen tenha antecedentes criminais ou esteja no radar da agência de inteligência doméstica da Alemanha.

Testemunhas e vídeo de vigilância do carro de fuga levaram as autoridades rapidamente à casa do atirador, onde ele e sua mãe de 72 anos foram encontrados mortos com ferimentos a bala, elevando o número total de mortos para 11.

Frank identificou o atirador apenas como Tobias R., de acordo com as leis de privacidade alemãs, e confirmou que ele havia postado vídeos extremistas e "idéias confusas e teorias conspiratórias absurdas'' em seu site, que foi retirado do ar desde então.

"Agora temos grupos étnicos, raças ou culturas em nosso meio destrutivas em todos os aspectos", escreveu Rathjen em um manifesto de 24 páginas em seu site. Ele disse que imaginou primeiro uma "limpeza áspera" e depois uma "limpeza fina" que poderia reduzir pela metade a população mundial.

"As seguintes pessoas devem ser completamente exterminadas", escreveu ele, em seguida listando duas dúzias de países, a maioria muçulmana.

O ataque mortal foi rapidamente condenado por muitas organizações, incluindo o Conselho Central dos Muçulmanos, a Confederação das Associações Curdas na Alemanha e o Conselho Central dos Judeus.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, chamou de "ataque hediondo" e expressou confiança de que as autoridades alemãs "farão todo tipo de esforço para esclarecer todos os aspectos desse ataque".

Em seu manifesto, Rathjen também detalhou os temores de estar sob vigilância do governo por anos e culpou o monitoramento por sua incapacidade de ter um relacionamento com uma mulher. Ele também afirmou ter abordado a polícia várias vezes com teorias da conspiração.

Separadamente, ele procurou no ano passado ajuda de um austríaco, Bernd Gloggnitzer, que ensina "visão remota", uma prática que os adeptos afirmam que lhes dá a capacidade de sentir o invisível. 

"Não respondi porque pude perceber pelo e-mail que ele era maluco", disse Gloggnitzer à Associated Press. Ele disse que Rathien lhe enviou uma queixa criminal que ele havia redigido e enviado aos promotores federais da Alemanha, e "era uma teoria da conspiração após a outra".

Na denúncia criminal que ele formulou, Rathien disse que trabalhava para um site de comparação de preços como consultor de vendas, mas desistiu de dedicar toda a sua atenção à investigação da suposta vigilância. Em seu próprio site, ele disse que nasceu e cresceu em Hanau e obteve um diploma de negócios.

Ele tinha uma licença para possuir uma arma, emitida pela primeira vez em 2013, disseram as autoridades locais à agência de notícias dpa da Alemanha. A mídia local informou que ele possuía três pistolas de 9 mm. Cerca de 5,4 milhões dos 83 milhões de alemães têm armas. Os proprietários devem passar por verificações de antecedentes, inclusive mostrando que não têm problemas mentais.

A polícia alemã também estava examinando um vídeo que Rathjen pode ter postado online vários dias antes do ataque no qual ele detalhou uma teoria da conspiração sobre abuso de crianças nos Estados Unidos, informou o dpa.

Ele não fez referência ao movimento americano QAnon, de extrema-direita, mas a mensagem era semelhante à crença central e infundada do grupo de que o presidente Donald Trump está sendo atacado por inimigos do "estado profundo" e que satanistas e canibais estão levando crianças a um anel de tráfico sexual.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanha [Europa]ataque a tiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.