AFP
AFP

Ataque a restaurante na capital de Bangladesh deixa pelo menos 2 mortos e 26 feridos

Local foi invadido na tarde desta sexta-feira, 1º, por homens armados com bombas, pistolas e espadas que ainda mantém um número não determinado de reféns; EI reivindica ataque

O Estado de S. Paulo

01 Julho 2016 | 14h41

DACA - Pelo menos 2 pessoas morreram e 26 ficaram feridas durante um ataque de vários homens armados contra o famoso restaurante Holey Bakery, muito frequentado por estrangeiros da área diplomática de Daca, capital de Bangladesh, nesta sexta-feira, 1º. Além disso, um número ainda não confirmado de pessoas está sendo mantida refém no local pelos atiradores.

"Atendemos 28 feridos e dois deles morreram", disse Miraz Ul Islan, gerente do United Hospital, localizado no bairro nobre de Gulshan, onde acontece o ataque, e para onde estão sendo transferidas as vítimas, a maioria policiais, de acordo com a imprensa local. As autoridades de Bangladesh confirmaram que os dois mortos eram policiais.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) usou uma de suas agências de notícia para dizer que militantes de uma rede afiliada eram responsáveis pelo ataque em Bangladesh. A agência Amaq, no entanto, afirma que os militantes mataram mais de 20 pessoas em Daca, informação não confirmada pelas autoridades.

Além disso, um número ainda não confirmado de pessoas são mantidas reféns pelos homens armados. A Polícia se prepara para tentar libertar as pessoas retidas no restaurante. "A Polícia vai tentar. Não sabemos o número exato de reféns", disse um oficial da Polícia na capital, M. Rahman.

Um funcionário do restaurante, Sumon Reza, declarou ao jornal "The Daily Star" que vários homens armados com bombas, pistolas e espadas entraram no local para por volta das 20h45 (horário local, 11h45 em Brasília) e fizeram refém um dos trabalhadores.

"Explodiram várias bombas, provocando um grande pânico entre todos. Gritaram 'Alá é grande' antes de explodi-las", declarou a este meio a testemunha, que conseguiu sair do restaurante.

As embaixadas de Espanha e Estados Unidos em Bangladesh divulgaram mensagens através de redes sociais para advertir a seus cidadãos que evitem a região, situada na área diplomática de Gulshan da capital bengali.

"Diante da incerteza que rodeia os eventos violentos, possivelmente de natureza terrorista, que estão acontecendo em torno do restaurante Holey Bakery na rua 79 de Gulshan 2, se pede aos espanhóis para evitar a região", alertou a delegação diplomática espanhola pelo Facebook.

"Por favor, refugiar-se em um local e acompanhe as notícias", recomendou a Embaixada americana pelo Twitter. 

Minorias. Um sacerdote hindu foi assassinado a facadas nesta sexta-feira na província de Khulna, no sul de Bangladesh, no quarto ataque contra esta minoria religiosa em menos de um mês e no meio da onda de ações extremistas que castiga o país.

Três homens atacaram o religioso por trás quando ele estava recolhendo flores por volta das 5h20 (hora local) no distrito de Jhenaidah, afirmou o subcomissário da Administração local, Mohammad Mahbub Alam Talukder.

A vítima, de aproximadamente 40 anos, recebeu golpes de faca no pescoço e cabeça e morreu a caminho do hospital, disse Talukder, não descartando que o caso pode ter sido um ataque islamita. Este é o segundo assassinato de um sacerdote hindu em Jhenaidah em menos de um mês, depois que um idoso religioso morreu no dia 7 de junho, também nas mãos de um grupo de três pessoas.

O subcomissário afirmou que ainda não prendeu nenhum suspeito pela morte do sacerdote, mas mostrou confiança que em breve a polícia encontre os responsáveis.

Além dos dois sacerdotes, nas três últimas semanas o responsável por um centro de meditação hindu foi assassinado, enquanto um professor universitário da mesma religião foi ferido de gravidade em outro ataque. / EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Bangladesh

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.