Atiradores atacam tropas etíopes na capital da Somália

Atiradores atacaram tropas etíopes em Mogadíscio neste domingo, disseram moradores da capital da Somália, à medida que autoridades somalis e norte-americanas prometem trabalhar juntas para estabilizar o país. No segundo dia de violência em Mogadíscio dirigido às tropas etíopes, atiradores somalis abriram fogo contra as forças etíopes responsáveis pelo governo interino. "O fogo pesado durou cerca de 15 minutos. Eu pude ouvir sons de pesadas metralhadoras disparando", disse um morador que vive próximo e não quis declarar seu nome, acrescentando que o tiroteio foi tão forte que clareou toda a área em volta. Uma testemunha disse que uma menina foi morta na região onde, há apenas alguns dias, uma granada de mão foi atirada nas tropas etíopes. "Os insurgentes vieram com dois veículos e abriram fogo contra as forças governamentais do lado de fora de uma área onde estão acampando os soldados etíopes", afirmou uma fonte ligada ao governo. "Os etíopes estavam dentro. O fogo sobreveio. Fogo pesado foi trocado, um foguete antitanque foi lançado pelos insurgentes," acrescentou. Um motorista de táxi disse que três caminhões carregando soldados etíopes foram atacados primeiro. "Foi uma pesada troca de tiros. Eu fui obrigado a deitar para evitar ser atingido", ele afirmou, acrescentando que os atiradores fugiram. A violência aconteceu depois de o primeiro-ministro somali, Ali Mohamed Gedi, e a principal diplomata dos EUA para a África, Jendayi Frazer, terem se encontrado em Nairobi. Frazer tem viajado pela região à medida que diplomatas africanos e ocidentais discutem uma força de paz africana que possa manter a paz na Somália depois de duas semanas de uma guerra que viu etíopes e forças do governo expulsarem islamitas que tinham ocupado muito do sul. O diplomata diz que Washington estava doando US$ 16 milhões para ajudar a financiar a força proposta e que ela havia sido chamada para um diálogo entre os grupos somalis, incluindo remanescentes do movimento islâmico. Depois de encontrar Frazer, Geli afirmou que "nós vamos trabalhar juntos para a estabilização da Somália". Em cenas similares à terra sem lei associada a Mogadíscio, que haviam parado durante os seis meses do rigoroso comando islâmico, uma multidão atirou pedras e queimou pneus no sábado para protestar contra as forças que expulsaram os islamitas. Uma testemunha relatou que três pessoas, incluindo um garoto, foram mortos quando as tropas etíopes e os manifestantes trocaram tiros. Uma fonte do governo disse que apenas uma pessoa foi morta no tiroteio. Durante todo o domingo, centenas de soldados do governo somali patrulharam as ruas onde os manifestantes haviam protestado no dia anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.