''Atiradores têm lado de vítima e algoz'', diz analista

Adolescentes que realizam massacres muitas vezes foram vítimas de algum tipo de violência ou bullying (assédio) na escola. "O jovem desenvolve um lado de vítima e outro de algoz, que se manifesta na hora do ataque", afirmou o psiquiatra Içami Tiba, autor do livro "Adolescentes: Quem Ama, Educa!" (Integrare Editora). "O ataque é uma manifestação de poder e o jovem usa o que tem ao seu alcance para demonstrar o que está sentindo." Segundo ele, o massacre é um sintoma da "onipotência juvenil" - uma sensação de poder que o jovem tem quando pensa que pode fazer o que quiser: "Aos 17 anos é muito difícil ter o controle sobre esse tipo de emoção e muitas vezes o jovem não mede as consequências do que está fazendo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.