Atividades do Irã ameaçam vizinhos, diz Rice

Para ela, programa nuclear e apoio a terroristas são maior desafio para EUA

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

25 de outubro de 2007 | 00h00

O programa nuclear iraniano e o suposto apoio do Irã a grupos terroristas talvez sejam o maior desafio individual para a segurança nacional americana, disse ontem a secretaria de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, durante testemunho ao Comitê de Relações Exteriores da Camara.Ela declarou que os EUA acabarão com as atividades maléficas do Irã no Iraque e estão trabalhando com urgência para impornovas sanções a Teerã. Segundo Condoleezza,O Irã põe emrisco a segurança e a prosperidade de seus vizinhos ao apoiar forças extremistas na região. Ela disse que a solução de dois estados no Oriente Médiouma Palestina em paz com Israel estáameaçada após uma serie de eventos, como o apoio do Ira aogrupo radical palestino Hamas.Condoleezza reiterou que o governo americano continua comprometido com a via diplomática para resolver a crise com oIra, provocada pelas suspeitas de que o programa iraniano deenriquecimento de urânio possa ser usado para a fabricação dearmas nucleares. Entretanto, o Pentágono pediu ao Congresso,em caráter urgente, a aprovação de fundos de US$88 milhões para dotar seus ombardeiros invisíveis B-2 da capacidade delançar bombas arrasa-bunker.Congressistas democratas e analistas suspeitam que isso seja parte de preparativos para atacar instalações subterrâneas doIra. Na semana passada, o presidente americano, George W.Bush, disse que, se o programa iraniano não for contido, há o risco de uma 3a Guerra Mundial.O premie britânico, Gordon Brown, disse ontem acreditar que as sanções poderão conter as ambições nucleares do Ira, mas não descartou a possibilidade de uma ação militar.O testemunho de Condoleezza foi marcado por um protestoContra a guerra no Iraque.A manifestante Desiree Anita Ali-Fairooz, com tinta vermelha nas mãos, representando sangue,correu na direção da secretaria. Ao ficar cara a cara com ela, Desiree gritou que Condoleezza era uma criminosa de guerra quedeveria ser levada a Haia, referindo-se ao tribunal internacional da ONU. A secretaria ficou impassível e Desiree foi detida por seguranças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.