Ativista chama Blair de 'criminoso de guerra'

Um ativista invadiu ontem uma audiência do Parlamento britânico sobre os grampos do jornal The News of the World e acusou o ex-primeiro-ministro Tony Blair de ser um "criminoso de guerra". Ele foi rapidamente contido por seguranças, mas a sessão teve de ser interrompida.

LONDRES, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2012 | 03h01

"Esse homem deveria ser preso por crimes de guerra", gritou o ativista durante a audiência. Blair assistiu à cena impassível, com o queixo apoiado sobre uma de suas mãos.

O juiz Brian Leveson, que coordena as investigações sobre a ligação do magnata australiano Rupert Murdoch com políticos britânicos pediu desculpas ao ex-premiê.

"Peço-lhe desculpas, senhor Blair. Vou pedir que uma investigação sobre isso comece imediatamente", afirmou Leveson.

O manifestante foi identificado como David Lawley Wakelin, um cineasta de 49 anos. Ele é membro de uma fundação chamada Crimes de Guerra de Blair. Wakelin foi liberado pela polícia após prometer que não voltaria ao local.

A participação da Grã-Bretanha na invasão americana do Iraque, em 2003, provocou forte oposição interna. Frequentemente, o ex-primeiro-ministro é alvo de protestos de ativistas antiguerra britânicos. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.