Ativista chinês cego chega nos EUA

Chen Guangcheng e a família foram avisados poucas horas antes da partida; como outros dissidentes, advogado pode ser impedido de voltar à China

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2012 | 03h02

O ativista chinês cego Chen Guangcheng chegou ontem com a mulher e os dois filhos a Nova York, pondo fim a sete anos de perseguição pelas autoridades que comandam a vila rural onde ele vivia. A viagem abre um futuro incerto para o advogado autodidata, que pode ser impedido de voltar à China, a exemplo de outros dissidentes que deixaram o país.

Ao chegar no alojamento da New York University, onde vai estudar Direito, o ativista fez um breve pronunciamento à imprensa. Ele agradeceu o auxílio dos Estados Unidos e ressaltou a "calma" do governo chinês em relação à sua ida para Nova York.

Chen foi avisado que embarcaria para os Estado Unidos na manhã de ontem, por funcionários do governo chinês no hospital onde estava havia 17 dias. A família recebeu instruções para fazer as malas e foi levada para o aeroporto.

"Neste momento, eu sinto todo o tipo de emoções e sentimentos", declarou o ativista em entrevista por telefone ao Washington Post. Sua mulher, Yuan Weijing, disse ao jornal que eles ainda não decidiram quanto tempo permanecerão nos EUA. O advogado autodidata vai estudar na New York University, onde seu amigo Jerome Cohen é professor. Ambos se conheceram em 2003, quando o ativista visitou os Estados Unidos a convite do Departamento de Estado.

No dia 22 de abril, Chen escapou da prisão domiciliar ilegal a que era submetido e se abrigou quatro dias mais tarde na Embaixada dos Estados Unidos em Pequim, colocando as duas maiores economias do mundo em um impasse diplomático. Ele deixou a representação diplomática americana no dia 2, na véspera da chegada a Pequim da secretária de Estado Hillary Clinton.

Estudo. O acordo inicial entre os dois governos previa que Chen permaneceria na China, onde poderia estudar longe de sua vila rural, Dongshigu, na Província de Shandong.

Mas o ativista abandonou em poucas horas a intenção de permanecer no país, após amigos relatarem a intensificação da perseguição a ativistas registrada desde o início de 2011.

Antes de sua fuga, Chen havia passado 19 meses em prisão domiciliar, totalmente isolado do mundo exterior. O ativista, cego desde a infância, foi encarcerado na própria casa depois de cumprir 4 anos e 3 meses de prisão sob a acusação de "danificar propriedade e organizar multidão para atrapalhar o trânsito".

Nos anos anteriores, ele havia enfurecido os líderes locais de sua região ao expor milhares de abortos e esterilizações forçados, ordenados pelos responsáveis pelo controle de natalidade. Mesmo sob a estrita política de filho único, essas medidas são ilegais. Antes de ser condenado, Chen passou seis meses em prisão domiciliar.

"A partida de Chen para os Estados Unidos não deve representar um momento de 'missão cumprida' para o governo americano e para nenhum outro governo que valoriza os direitos humanos e o estado de direito na China", afirmou Phelim Kine, pesquisador sênior para a Ásia da Human Rights Watch.

Segundo ele, a etapa mais difícil será garantir que o ativista possa voltar à China quando quiser, "assegurando seu direito nos termos da legislação internacional".

Asilo. Chen sustentou, desde o início, que não buscava asilo político nos Estados Unidos e pretendia ir ao país para estudar e descansar, retornando posteriormente à China. Com isso, ele busca evitar o destino da maioria dos ativistas chineses que se mudaram para o exterior e foram esquecidos depois de alguns meses.

"Mesmo entre seus simpatizantes, alguns se preocupam que ele pode ter embarcado em uma viagem rumo à irrelevância", observou a escritora Lijia Zhang, que conhece Chen há mais de uma década.

Como muitos, ela é pouco otimista. "É bastante provável que as autoridades chinesas impeçam Chen de retornar."

Também é incerto o futuro do restante da família Chen que ainda é alvo de perseguição dos líderes locais. A região continua cercada por capangas, que impedem o acesso de qualquer pessoa estranha, até mesmo diplomatas.

O sobrinho do ativista está preso e é acusado de tentativa de homicídio por ter atacado, usando uma faca, três homens que invadiram sua casa na noite do dia 26 de abril, quando a fuga de seu tio foi revelada.

Advogados que se dispuseram a defendê-lo foram ameaçados com a cassação de suas licenças e impedidos de viajar à região, na Província de Shandong.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.