Reprodução
Reprodução

Ativista chinês telefona para deputados dos EUA durante sessão no Congresso

Ele expressou a vontade de viajar ao país e a preocupação com sua família no telefonema

Efe,

03 Maio 2012 | 20h10

WASHINGTON - O dissidente chinês Chen Guangcheng telefonou nesta quinta-feira, 3, aos congressistas que avaliavam seu caso durante uma audiência da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, e lhes expressou sua vontade de viajar ao país e sua preocupação por sua família.

Veja também:

link Obama é pressionado a dar asilo a dissidente chinês

link 'China tem de manter acordo sobre dissidente', diz Hillary Clinton

O congressista republicano Chris Smith, que presidia a audiência da Comissão Executiva do Congresso sobre China, interrompeu a sessão para anunciar que tinha uma chamada telefônica de Chen, aparentemente do hospital onde se encontra internado em Pequim, informou a revista online Politico.

"Quero ir aos EUA para descansar um tempo. Não descansei nada nos últimos dez anos", disse da sala de audiências o ativista Bob Fu, amigo do dissidente cego, traduzindo suas palavras ao inglês.

Chen se mostrou preocupado com a segurança de sua família, especialmente de seu irmão e sua mãe. "Quero saber como estão".

O ativista também expressou sua vontade de conhecer pessoalmente a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que se encontra de visita em Pequim. "Espero que ela possa me ajudar mais. E quero agradecê-la pessoalmente".

Em uma entrevista nesta quinta-feira ao jornal online americano The Daily Beast, Chen afirmou que sua "fervente esperança" é abandonar a China junto a sua família no avião de Hillary.

O dissidente abandonou a embaixada americana após um acordo entre as autoridades de China e EUA segundo o qual o governo de Pequim dava garantias de que ele poderia se encontrar com sua família, começar com normalidade uma nova vida fora de Shandong e cursar estudos universitários.

Segundo Washington, Chen deixou a embaixada por vontade própria e, em nenhum momento, pediu asilo político ou manifestou desejo de abandonar seu país.

O dissidente, no entanto, disse que as fortes pressões dos funcionários americanos o motivaram a sair da legação diplomática americana.  

Mais conteúdo sobre:
Chen Guangcheng EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.