Ativista de 14 anos baleada no Paquistão é operada

A garota de 14 anos vítima de ataque do Taleban encontra-se na UTI e foi operada para a remoção de uma bala, afirmaram os médicos que cuidam dela. Malala Yousufzai é conhecida por defender educação para meninas e divulgar atrocidades cometidas pelos extremistas islâmicos no Paquistão. Os médicos estão considerando enviá-la ao exterior para ser tratada.

AE, Agência Estado

10 de outubro de 2012 | 11h02

O porta-voz da província onde ocorreu o atentado afirmou que há 70% de chance que ela vá responder ao tratamento e não precisará de mais cirurgias. Malala foi operada nesta madrugada para a retirada de uma bala em seu ombro.

A ativista estava em um ônibus com outras alunas que voltavam da escola quando foi atacada na cidade de Mingora, Paquistão, na terça-feira. No ano passado Malala foi nomeada para o Prêmio Internacional da Paz Infantil, por seu respeitado trabalho de promoção da escolaridade entre meninas - algo que o Taleban repudia.

O grupo assumiu a responsabilidade pelo crime, chamando as ideias da garota de "obscenas". "Esse era um novo capítulo de obscenidade, e nós temos que encerrar esse capítulo", disse na terça-feira o porta-voz do Taleban, Ahsanullah Ahsan.

O ônibus estava prestes a deixar a escola quando um homem barbudo aproximou-se e perguntou por Malala, afirmou Rasool Shah, o chefe de polícia da cidade. Uma garota apontou a ativista, que fingiu ser outra pessoa. O agressor então atirou nas duas, afirmou o chefe de polícia. A outra vítima está em condição estável. As informações são da Dow Jones e Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebangarotaataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.