Ativista mexicano é morto a tiros em Sonora

O ativista mexicano Nepomuceno Moreno, de 56 anos, foi morto a tiros na noite de segunda-feira enquanto dirigia sua van, informaram nesta terça-feira autoridades do Estado de Sonora, no norte do México. Moreno liderava um movimento da sociedade civil contra a criminalidade e a violência policial, após seu filho de 18 anos ter sido sequestrado e morto pela polícia estadual no ano passado.

AE, Agência Estado

29 de novembro de 2011 | 17h11

Moreno acusou repetidas vezes a polícia de Sonora pelo homicídio de seu filho de 18 anos, na cidade de Hermosillo. Ninguém foi preso pelo crime. Moreno virou o principal ativista em Hermosillo do Movimento pela Paz com Justiça e Dignidade, lançado pelo porta Javier Sicilia, que pede ao redor do México o fim da violência praticada pelos cartéis do narcotráfico, pela polícia e pelos criminosos comuns.

O poeta Sicilia lançou o movimento em abril deste ano após seu filho Juan Francisco Sicilia Ortega ter sido chacinado junto a outros cinco jovens por um cartel de narcotraficantes.

Moreno dizia que havia recebido várias ameaças de morte dos homens que ele acreditava serem os responsáveis pela morte de seu filho.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.