Ativista Nobel da Paz pede reunião com líder de Mianmar

A ativista e prêmio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, de 65 anos, libertada no sábado após sete anos de prisão domiciliar, disse a milhares de simpatizantes neste domingo que continuará lutando pelos direitos humanos e pelo Estado de Direito em Mianmar. Ela tornou-se um símbolo da democracia no país, que é governado por uma junta militar desde 1962.

AE, Agência Estado

14 de novembro de 2010 | 14h36

Durante um discurso para mais de cinco mil pessoas realizado na sede de seu partido político, ela pediu para que as pessoas trabalhassem em prol da reconciliação nacional. "Se quisermos ter o que queremos, precisamos fazer as coisas da forma correta. Caso contrário não atingiremos nosso objetivo, independentemente de ele ser nobre ou correto", afirmou.

Suu Kyi disse aos repórteres que sua mensagem para o chefe da junta militar que governa Mianmar, Than Shwe, era: "vamos conversar um com o outro diretamente". Os dois se reuniram para uma conversa sigilosa pela última vez em 2002, sob incentivo das Nações Unidas. "Eu sou a favor da reconciliação nacional. A favor do diálogo. Qualquer a autoridade que eu possua, usarei com esses objetivos. Espero que as pessoas me apoiem", acrescentou.

Suu Kyi foi recebida no QG de seu partido com aplausos. Ela disse não guardar rancor daqueles que a detiveram por mais de 15 dos últimos 21 anos, acrescentando que, durante esse período, foi bem tratada. Apesar disso, ela pediu para que seus simpatizantes rezassem por aqueles que ainda estão presos. Grupos de direitos humanos afirmam que o governo de Mianmar detém mais de 2.200 prisioneiros políticos.

"Se o meu povo não está livre, como posso dizer que estou livre? Ou estamos livres juntos ou não estamos livres."

Ao comentar sobre o período de isolamento da prisão domiciliar, Suu Kyi disse que "sempre se sentiu livre por dentro", embora durante anos tenha ouvido somente a um rádio. "Gostaria de ouvir vozes humanas."

A libertação da ativista ocorreu apenas alguns dias depois de uma eleição vencida pelo partido da junta militar e considerada uma farsa pelas nações ocidentais. Muitos analistas questionaram inclusive se a libertação de Suu Kyi não teria sido uma estratégia das autoridades de Mianmar para desviar o foco das eleições.

O partido da ativista, a Liga Nacional da Democracia, venceu as eleições em 1990, mas a junta militar recusou-se a sair do poder. O partido foi desmontado após ter se recusado a participar do pleito mais recente.

Suu Kyi encabeçou a luta pela democracia em 1988, quando manifestações populares contra o regime militar de 25 anos a lançaram à frente desse movimento, principalmente por ela ser filha de Aung San, responsável por conduzir Mianmar à independência da Inglaterra para depois ser assassinado por inimigos políticos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
MianmarNobel da PazSan Suu Kyi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.