MAHMUD HAMS / AFP
MAHMUD HAMS / AFP

Ativistas de Gaza cessam lançamento de foguetes contra Israel

Hamas e outros grupos armados palestinos informaram que ofensiva, que teve o disparo de mais de 180 foguetes, foi encerrada; resposta de Israel, que bombardeou 150 alvos militares em Gaza, deixou 3 mortos, incluindo uma grávida e uma criança

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2018 | 11h34

GAZA, TERRITÓRIOS PALESTINOS - O movimento islamita Hamas encerrou nesta quinta-feira, 9, a escalada de ataques após o lançamento de 180 foguetes contra Israel desde a tarde de quarta, que deixaram mais de 20 israelenses feridos e provocaram a resposta do Exército israelense com bombardeios contra 150 alvos militares em Gaza, que causaram a morte de três palestinos.

"Esta onda de escalada militar acabou", afirmou em comunicado um comitê no qual estão representados os braços armados do Hamas, a Jihad Islâmica, os Comitês de Resistência Popular, a Frente Palestina de Libertação Popular e a Frente Democrática para a Libertação da Palestina.

As facções militares, lideradas pelo Hamas, "estarão comprometidas com uma trégua desde que a ocupação israelense também esteja comprometida com ela", indicou o comitê, denominado Sala de Operações da Resistência Armada Palestina.

O Gabinete de Segurança israelense se reúne nesta quinta para avaliar a situação com os principais responsáveis das agências de segurança, o chefe do Estado Maior, tenente-general Gadi Eisenkot, o do serviço secreto interior Shin Bet, Nadav Argaman, e o do Conselho Nacional de Segurança, Meir Ben Shabat, segundo imagens da emissora de televisão "Channel 12".

Três palestinos morreram nos bombardeios do Exército de Israel, um miliciano do Hamas e uma mulher grávida e seu filho de um ano e meio, enquanto mais de 20 palestinos foram feridos, informaram fontes médicas na Faixa de Gaza.

A tensão começou com um incidente ocorrido há dois dias no qual milicianos do Hamas dispararam por um erro contra alvos em Gaza, mas em direção a Israel, durante uma exibição militar diante de integrantes do alto escalão do movimento islamita, o que provocou disparos de resposta de um tanque israelense, que mataram dois milicianos. 

O Hamas, por sua vez, respondeu um dia depois com a onda de lançamento de foguetes, a segunda maior desde a guerra de 2014. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.