AFP PHOTO / Anthony WALLACE
AFP PHOTO / Anthony WALLACE

Ativistas de Hong Kong protestam antes da visita do presidente chinês

Manifestantes cobriram com pano preto a famosa estátua Golden Bauhinia, símbolo de Hong Kong após a devolução da cidade à China pela Grã-Bretanha; Xi Jinping fará visita de três dias pelo aniversário de 20 anos da retrocessão

O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2017 | 12h27

HONG KONG - Manifestantes pró-democracia de Hong Kong colocaram um véu preto sobre uma estátua que simboliza a devolução da cidade à China pela Grã-Bretanha, poucos dias antes da visita do presidente chinês Xi Jinping por ocasião do aniversário de 20 anos da retrocessão.

O famoso ativista Joshua Wong e mais de 10 manifestantes organizaram o protesto na escultura dourada, o Golden Bauhinia, na baía de Hong Kong, na manhã desta segunda-feira, 26, enquanto agentes tentavam impedir e escalavam o monumento. 

A escultura da flor, que se tornou o símbolo de Hong Kong após a devolução, foi um presente da China à cidade em 1997 e fica diante do centro de convenções em que Xi Jinping participará nos eventos programados pelo aniversário, em uma visita de três dias que começa na próxima segunda-feira.

A polícia se mobilizou para retirar o véu da estátua, enquanto os manifestantes pediam "autodeterminação democrática para o futuro de Hong Kong" e afirmavam que o lema "'um país, dois sistemas' tem sido uma mentira durante 20 anos", em referência ao status semiautônomo de Hong Kong.

O acordo "um país, dois sistemas", estabelecido quando a Grã-Bretanha devolveu Hong Kong a China em 1997, permite que a cidade goze de direitos que não existem no continente, incluindo a liberdade de expressão. 

Mas a interferência de Pequim em vários setores, da política até o sistema de educação ou os meios de comunicação, preocupa cada vez mais as pessoas na ilha. 

Ativistas como Wong, que liderou o movimento conhecido como revolução dos guarda-chuvas em 2014, pedem reformas democráticas, prometidas no pacto de devolução, para mudar um sistema no qual o governante da cidade continua sendo eleito por um comitê pró-China e no qual a Assembleia Legislativa é favorável a Pequim. 

A visita de Xi será a primeira desde que se tornou presidente em 2013 e também será marcada pela posse de Carrie Lam, a nova chefe do Executivo de Hong Kong. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongChinaGrã-BretanhaXi Jinping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.