Ativistas denunciam matança de mulheres e crianças na Síria

Quase 50 pessoas teriam sido torturadas e brutalmente assassinadas em Homs na noite de domingo.

BBC Brasil, BBC

12 de março de 2012 | 14h21

Ativistas sírios denunciaram nesta segunda-feira a morte de quase 50 pessoas em Homs, incluindo mulheres e crianças, na noite de domingo. Eles acusam o regime sírio de torturar e matar os civis no principal reduto oposicionista do país.

Em vídeos publicados no site YouTube é possível ver pelo menos 11 corpos cobertos de sangue, incluindo os de quatro crianças.

O governo sírio admitiu a ocorrência das mortes no bairro de Karm el-Zeytoun, mas responsabilizou "terroristas armados" pelo massacre.

Os ataques de domingo aconteceram horas após o enviado da ONU para a Síria, o ex-secretário-geral Kofi Annan, encerrar sua visita a Damasco.

Annan não conseguiu costurar um acordo entre o regime e a oposição, mas disse que saiu da Síria "otimista" sobre uma possível solução negociada, argumentando que há um desejo generalizado por paz na sociedade síria.

Nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança da ONU discute a crise durante um encontro de ministros das Relações Exteriores.

EUA e Grã-Bretanha devem voltar a pressionar Rússia e China, aliados sírios, a aprovar uma resolução exigindo o fim da violência e o acesso humanitário em áreas necessitadas.

'Queimados vivos'

Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ONG com sede em Londres, centenas de famílias deixaram o bairro de Karm el-Zeytoun na manhã desta segunda-feira, após os ataques noturnos.

Os grupos Comissão Geral da Revolução Síria e o Comitê de Coordenação Local dizem que o número de vítimas é 45.

De acordo com a comissão, algumas das vítimas foram queimadas vivas, com combustível derramado sobre seus corpos. Outras tiveram pescoços e membros fraturados.

O ativista Hadi Abdallah, de Homs, disse à agência de notícias France Presse que foram encontrados os corpos de 26 crianças e 21 mulheres, algumas com as gargantas cortadas e com marcas de facadas.

Um integrante do Conselho Nacional Sírio disse à BBC que tropas do regime estão disparando foguetes sobre Karm el-Zeytoun, antes de entrar no bairro "para matar as famílias que lá permanecem".

Há dificuldade de confirmar as informações por causa das restrições ao trabalho da imprensa na Síria.

O Comitê de Coordenação Local convocou a população síria a fazer greve nesta terça-feira em repúdio à violência.

O grupo diz que na última quinta-feira pelo menos 44 pessoas, incluindo 20 de uma família e 16 de outra, foram mortas em Homs. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
homssíriaassadcivisKarm el-Zeytoun

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.