Ativistas denunciam prisão de 'centenas' em Cuba

Ativistas denunciam prisão de 'centenas' em Cuba

Detenções teriam sido feitas entre ativistas e participantes do grupo Damas de Branco durante marcha no domingo

O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2015 | 18h57

HAVANA - Mais de uma centena de dissidentes cubanos foram detidos no domingo, 22, entre os quais vários ativistas de direitos humanos e participantes do grupo Damas de Branco, que lutam pela libertação de familiares presos pelo regime comunista.

Berta Soler, líder das Damas de Branco, explicou que 53 representantes do grupo e 36 ativistas de direitos humanos foram "detidos entre o meio-dia e às 17h de domingo", no encerramento da tradicional marcha dominical. Ela ponderou à agência Associated Press que ainda avalia para saber a cifra exata dos detidos na ilha.

O presidente da Comissão Cubana de Direitos Humanos, Elizardo Sánchez, estima que foram registradas "entre 150 e 200 detenções" no domingo em todo o país. Ele informou ainda que está realizando um levantamento em toda a ilha para saber o número exato de prisões.

As detenções ocorrem dias antes da segunda reunião entre Cuba e Estados Unidos, programada para sexta-feira em Washington e na qual as delegações falarão sobre o restabelecimento das relações diplomáticas entre os países. / ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.