Reuters
Reuters

Ativistas denunciam 'terrível massacre' contra opositores na Síria

Ataques das forças de segurança de Bashar Assad deixaram mais de 30 mortos em Homs

Associated Press

27 de janeiro de 2012 | 08h27

BEIRUTE - Um "terrível massacre" na cidade de Homs, na Síria, deixou mais de 30 mortos, incluindo crianças, quando uma série de morteiros disparados pelo Exército leal ao presidente Bashar Assad atingiram redutos de opositores no loca, informaram ativistas nesta sexta-feira, 27.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

Moradores e ativistas de Homs, um dos epicentros da revolução contra o regime sírio, deram alguns detalhes dos ataques conduzidos pelas forças de segurança na quinta-feira. "Houve um massacre terrível", disse Rami Abdul-Rahman, diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, entidade sediada em Londres.

 

Vídeos postados na internet mostravam corpos de crianças mortas nos ataques. Em outras imagens registradas em Homs, uma família inteira aparecia morta em sua própria casa. A autenticidade dos vídeos não pode ser verificada. O número de vítimas também é uma contagem independente, uma vez que Damasco só permite visitas monitoradas de jornalistas internacionais e mantém a imprensa sob controle.

 

O Observatório e os Comitês de Coordenação Locais, outro grupo de ativistas, afirmaram que o número de mortos era de ao menos 35, entre estes oito crianças. A maioria morreu quando um prédio foi fortemente alvejado por morteiros e disparos de metralhadora. "É uma limpeza racial. Estão matando as pessoas por causa de suas etnias", disse um residente do bairro de Karm el-Zaytoun.

 

A revolta contra o regime de Assad começou em março de 2011 com protestos pacíficos, mas a dura repressão do governo contra os manifestantes durante estes 10 meses fez com que os opositores se armassem e atraíssem desertores militares. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 5,4 mil pessoas morreram desde o início da revolução. O governo culpa "terroristas e grupos armados" pela violência e afirma que mil policiais e militares morreram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.