Ativistas egípcios paralisarão protestos durante o Ramadã

Grupos políticos egípcios afirmaram neste domingo que vão suspender as manifestações durante o Ramadã, que começa nesta segunda-feira, mas retomarão os protestos por reformas democráticas mais amplas por parte do governo militar após o mês de jejum muçulmano acabar.

SARAH MIKHAIL, REUTERS

31 de julho de 2011 | 12h09

Muitos egípcios estão cansados das manifestações, que atrapalharam o tráfego de veículos nos centros das cidades. O vigor muita vezes diminui durante o Ramadã, quando os muçulmanos jejuam do amanhecer ao pôr do sol, e que neste ano ocorrerá no auge do verão.

Os grupos dizem que vão continuar exigindo que o conselho militar que assumiu o poder após a renúncia do presidente Hosni Mubarak, em fevereiro, acelere as reformas e o julgamento de ex-autoridades que enfrentam acusações de corrupção e assassinato.

Os partidários dos grupos estão acampados na Praça Tahrir, no centro do Cairo, e em outras regiões do país desde um protesto em 8 de julho.

Mais de 840 pessoas morreram nos 18 dias de manifestações que derrubaram Mubarak. A polícia usou balas de borracha e de verdade, gás lacrimogêneo e cassetetes contra os manifestantes.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITORAMADAPAUSA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.