Ativistas espanhóis planejam novo protesto contra crise

Ativistas espanhóis enfurecidos com uma sombria perspectiva econômica planejam manifestações em todo o país para marcar o aniversário de um ano do movimento de protesto que inspirou grupos similares em outros países.

AE, Agência Estado

12 de maio de 2012 | 09h17

A Espanha enfrenta profundas dificuldades econômicas. O país está em recessão e o desemprego gira em torno de 25%, taxa mais alta entre os 17 países que têm o euro como moeda.

Os manifestantes, em sua maioria jovens, pretendem ocupar a praça Puerta del Sol, em Madri, na noite de sábado, e permanecer no local por três dias. Mas autoridades dizem que não permitirão que ninguém acampe durante a madrugada. Cerca de 2 mil policiais estão de plantão na capital.

Os protestos começaram em 15 de maio de 2011, atraindo centenas de milhares de pessoas que se diziam parte do Movimento dos Indignados. As manifestações se espalharam por vários países da Europa, à medida que crescia um sentimento anti-austeridade. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhaprotestosausteridade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.