Ativistas preparam nova flotilha para levar ajuda à Gaza

Comboio tentará chegar ao território palestino exatamente um ano após ataque a frota de 2010

Agência Estado

11 de abril de 2011 | 15h49

ATENAS - Uma flotilha se prepara para viajar para a Faixa de Gaza e marcar, em 31 de maio, o primeiro aniversário do sangrento ataque israelense conta um comboio semelhante, disseram organizadores do novo comboio nesta segunda-feira, 11.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

"Os preparativos estão progredindo e teremos condições adequadas para a partida dos navios até o fim de maio", disse Vaggelis Pissias, organizador da missão, durante uma coletiva de imprensa em Atenas, na Grécia. Apelidada de "Flotilha da Liberdade II", a missão vai reunir participantes de 50 países numa tentativa de furar o bloqueio de Israel à Faixa de Gaza.

 

Em 31 de maio de 2010, tropas israelenses atacaram a flotilha que tentava furar o bloqueio imposto à Faixa de Gaza, numa controversa operação que deixou oito ativistas turcos e um turco-americano mortos e atraiu a condenação internacional.

 

Por razões de segurança, os organizadores disseram que não divulgarão o número de navios que participarão da missão deste ano e nem o ponto de partida, embora tenham dito anteriormente que 15 embarcações poderiam integrar o grupo. No ano passado foram seis.

 

Os organizadores disseram em comunicado que o governo de Israel ameaça atacar a nova flotilha e "pedimos aos nossos respectivos governos, à comunidade internacional e à Organização das Nações Unidas (ONU) que não se dobrem" ao que consideram "terrorismo israelense". A flotilha deste ano vai levar "materiais de construção e produtos farmacêuticos" entre outros bens, disse o ativista grego Dimitris Plionis.

 

Ao falar para representantes europeus neste mês, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chamou os planos para uma nova flotilha de "provocação" e disse que é do interesse comum de Israel e da Europa que o projeto da flotilha seja interrompido. Netanyahu também pediu a ajuda do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para suspender o projeto. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.