Ativistas sul-coreanos entram em base militar dos EUA

Dezenas de ativistas entraram numa base militar norte-americana nesta terça-feira para protestar contra a absolvição, na semana passada, de dois soldados dos Estados Unidos envolvidos na morte de duas garotas sul-coreanas. Ontem, estudantes lançaram vários coquetéis molotov contra a base militar de Camp Grey, ao sudoeste de Seul.No protesto de hoje, cerca de 50 manifestantes entraram no Campo Nuvem Vermelha, ao norte de Seul, depois de atravessaram uma cerca posicionada numa colina, disse o tenente-coronel Steven Boylan, porta-voz do 8º Regimento do Exército dos EUA.De acordo com Boylan, os ativistas acorrentaram-se uns aos outros e caminharam pela base, na direção da entrada principal, gritando "soldados norte-americanos fora da Coréia". Após o protesto, os ativistas foram detidos pela polícia local. Ele garantiu, no entanto, que não houve choques entre os soldados dos EUA e os manifestantes.Os manifestantes, estudantes em sua maioria, foram levados a delegacias da região para interrogatórios, disse um policial em Uijongbu, na periferia de Seul.Na semana passada, os sargentos Fernando Nino e Mark Walker foram absolvidos das acusações de homicídio culposo na morte de duas estudantes de 13 anos. Os militares, que estavam num veículo blindado, atropelaram as meninas em 13 de junho. As absolvições causaram revolta entre os ativistas sul-coreanos, que consideram o resultado uma vergonha.Após o veredicto, partidos políticos da Coréia do Sul passaram a pedir uma revisão no acordo militar entre os dois países para que Seul tenha mais jurisdição para julgar soldados norte-americanos estabelecidos no país e evitar o julgamento dos mesmos por cortes marciais.

Agencia Estado,

26 de novembro de 2002 | 14h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.