Ativistas tentam romper cerco para levar ajuda a Gaza

Um grupo de ativistas composto por legisladores europeus e médicos iniciou hoje uma viagem de barco do Chipre em direção à Faixa de Gaza com o objetivo de entregar ajuda médica ao território. O barco de 22 metros (70 pés), de registro grego, deixou o porto de Larnaca, no sul do Chipre, com quatro legisladores belgas, gregos e espanhóis, sete médicos e vários jornalistas por volta das 15h (11 horas de Brasília). Além de seus 30 passageiros, o "Espírito de Humanidade" estava lotado com toneladas de suprimentos médicos como bandagens, medicamentos intravenosos, antibióticos e outros remédios para os hospitais de Gaza. "Nós temos de tentar romper o cerco a Gaza e, ao mesmo tempo, condenar o que está acontecendo", disse o legislador espanhol Joan Josep Nuet à agência France Presse.A última tentativa do grupo de quebrar o bloqueio ao território ocorreu no dia 30 de dezembro, mas não chegou ao seu objetivo porque uma embarcação da marinha israelense colidiu com o barco que levava ajuda humanitária. "Fazer nada não é uma opção como médico palestino e ser humano. É isso que eu digo a todo mundo", disse o cirurgião ocular Ali Dabbagh, cujo consultório fica em Dubai. Ele descreveu como "além do horrível" o que está acontecendo com os civis de Gaza, particularmente as crianças, desde que Israel iniciou sua ofensiva contra o movimento islâmico Hamas, em 27 de dezembro. "Temos de ter certeza de que as pessoas de Gaza não se sintam esquecidas, mas esta mensagem é difícil de ser entendida quando se está vivendo no inferno", disse Dabbagh.Huwaida Arraf, coordenador do grupo, sediado nos Estados Unidos, disse que vai levar cerca de 24 horas até que a embarcação chegue a Gaza, onde vai desembarcar sua carga e seus passageiros em poucas horas. A tentativa fracassada do mês passado foi a primeira a não dar certo desde que tais viagens, a partir do Chipre, tiveram início, em agosto de 2008. A organização também disse ter recebido ameaças de morte contra suas visitas à Faixa de Gaza.Isolamento O presidente do Parlamento do Chipre, Marios Garoyian, disse que seu país apoiou a última viagem e pediu que Israel permita que o barco passe em segurança. O grupo "Free Gaza" pretende destacar o efeito enfraquecedor da repressão de Israel sobre o território sob domínio do Hamas, onde vivem 1,5 milhão de pessoas. Israel isolou Gaza, com exceção da entrada limitada de ajuda humanitária, desde que sua ofensiva contra o grupo islâmico Hamas - que não reconhece Israel - teve início em 27 de dezembro. Mais de 900 palestinos e 13 israelenses já morreram na ofensiva. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.