Atlantis retorna e encerra programa de ônibus espaciais

O ônibus espacial Atlantis, com quatro astronautas a bordo, pousou hoje em Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), encerrando os 30 anos do programa de ônibus espaciais da Agência Espacial Americana (Nasa).

AE, Agência Estado

21 de julho de 2011 | 09h17

Cerca de 2 mil pessoas se reuniram perto da pista de pouso e milhares se aglomeraram no centro espacial e uma quantidade incontável assistiu pela televisão o final do mais longo programa de voos espaciais da Nasa. "Após servir ao mundo por 30 anos, os ônibus espaciais conquistaram seu lugar na história. E agora chega ao fim", disse, pelo rádio, o comandante Christopher Ferguson. "Trabalho bem feito, América", respondeu o controle da missão.

O pouso, pouco antes da alvorada, ocorreu 30 anos e três meses após o primeiro lançamento, em 1981. Vai levar entre três a cinco anos, na melhor das hipóteses, até que os norte-americanos sejam lançados novamente do território norte-americano, trabalho que deve ser assumido por empresas privadas que devem cuidar das viagens.

O futuro de longo prazo para a exploração espacial norte-americana é nebuloso e motivo de preocupação para muitos na Nasa e para todos os que perdem seus empregos por causa do final do programa. Marte e os asteroides são destinos prováveis, mas a Nasa ainda tem de estabelecer um novo modelo de foguete para levar os astronautas até lá.

Atlantis

O Atlantis tocou o solo às 5h57 (horário local, 6h57 em Brasília). Sua tripulação era composta por Ferguson, o copiloto Douglas Hurley, Rex Walheim e Sandra Magnus, que concluíram com sucesso o abastecimento da estação espacial.

"O ônibus espacial mudou a forma como vemos o mundo e mudou a forma como vemos nosso universo", disse Ferguson. "Há muita emoção hoje, mas uma coisa é incontestável: a América não vai parar de fazer explorações. Obrigado Columbia, Challenger, Discovery, Endeavour e à nossa nave, Atlantis. Obrigada por nos proteger e levar este programa a um fim tão bom."

Familiares e amigos dos astronautas, assim como dirigentes do programa e oficiais da Nasa, se reuniram perto da pista para receber o Atlantis. O controle da Missão em Houston, no Texas, também estava lotado com diretores de voo na ativa e aposentados. Centenas de funcionários do Centro Espacial Johnson assistiram ao pouso do lado de fora, numa enorme tela.

Os voos dos cinco ônibus espaciais da Nasa salvaram e revitalizaram o telescópio espacial Hubble e construíram a estação espacial internacional, a maior estrutura artificial na órbita da terra. O primeiro homem a orbitar nosso planeta, John Glenn, tornou-se a pessoa mais velha a ir para o espaço, graças ao ônibus espacial. Quando fez a viagem, ele tinha 77 anos; nesta semana ele completou 90 anos. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.