Atleta é vítima de sequestro na Venezuela

Jogador do beisebol venezuelano que atua nos EUA visitava os pais quando foi dominado

CARACAS, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2011 | 03h02

As autoridades de segurança da Venezuela confirmaram que o jogador de beisebol Wilson Ramos, de 24 anos, foi sequestrado na quarta-feira - caso que ilustra a acentuada elevação desse tipo de crime no país. As forças policiais anunciaram ontem uma megaoperação para solucionar o caso e afirmaram ter encontrado o veículo usado na ação.

Estrela do time americano Washington Nationals, Ramos visitava a Venezuela para jogar pelos Tigres de Aragua antes do início da temporada americana de beisebol.

Segundo o jornal venezuelano El Universal, o esportista conversava com um grupos de parentes e amigos diante da casa dos pais, na cidade de Valência, no Estado de Carabobo, quando foi sequestrado. Dois homens armados saíram de uma caminhonete Captiva alaranjada, após as 19 horas, dominaram o jogador e fugiram em alta velocidade. Segundo a investigação, outros dois bandidos estavam no do carro.

Os vizinhos e parentes que testemunharam a ação ainda tentaram perseguir o veículo dos sequestradores, mas sem sucesso. Até ontem, ainda segundo o Universal, os criminosos não haviam feito nenhum contato para pedir resgate. As autoridades venezuelanas afirmaram que quatro departamentos da polícia reforçam a investigação que está sendo realizada em Carabobo, Aragua e Miranda.

Segundo dados sobre violência divulgados pela polícia da Venezuela no ano passado, em 2009 foram registrados 618 sequestros no país - em 1998, quando Chávez foi eleito, apenas 52 desses crimes foram relatados.

Nos últimos anos, os venezuelanos mais ricos têm adotado várias medidas para se prevenir: a venda de carros blindados, por exemplo, teve uma grande alta. Jogadores venezuelanos da liga dos EUA costumam ser vistos com seguranças particulares quando visitam seu país de origem. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.