AFP PHOTO / Munir UZ ZAMAN
AFP PHOTO / Munir UZ ZAMAN

Ato em prol de minoria muçulmana em Mianmar reúne 20 mil em Bangladesh

De túnica branca e cantando "Deus é o maior", uma multidão se reuniu perto da grande mesquita de Dacca

O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2017 | 11h57

DACCA - Cerca de 20 mil muçulmanos foram às ruas da capital de Bangladesh, nesta segunda-feira, 18, para protestar contra a violência sofrida pela minoria muçulmana rohingya em Mianmar. De túnica branca e cantando "Deus é o maior", uma multidão se reuniu nesta segunda de manhã perto da grande mesquita de Dacca para, então, caminhar até a embaixada birmanesa para "sitiá-la".

O grupo islamita Hefazat-e-Islami, que convocou a manifestação, disse querer cercar a representação diplomática com centenas de milhares de partidários. O forte dispositivo policial mobilizado para o protesto bloqueou a multidão no centro de Daca. Apenas uma delegação de dez pessoas foi autorizada a chegar à missão diplomática para apresentar um abaixo-assinado.

"Cerca de 20 mil pessoas se uniram à manifestação", declarou o oficial da Polícia de Daca Anwar Hosain, descrevendo um clima de "tensão". Segundo ele, no início da tarde os manifestantes se dispersaram.

"É nosso dever religioso denunciar os massacres em Mianmar", declarou Abu Raihan, ex-estudante de uma escola corânica que foi a Daca se somar à manifestação.

Mais de 410 mil membros da minoria muçulmana rohingya seguiram para Bangladesh desde 25 de agosto, fugindo da campanha de repressão do Exército birmanês deflagrada em resposta a ataques de rebeldes rohingyas.

A ONU classificou como "limpeza étnica" o que está acontecendo em Mianmar. A situação provocou uma onda de solidariedade no mundo muçulmano. Atos de apoio foram registrados no Paquistão, na Malásia e na Indonésia.

Grupos islamitas bengalis pedem ao governo que inicie uma guerra contra Mianmare que intervenha militarmente no oeste do país vizinho para defender os rohingyas. / AFP

 

Mais conteúdo sobre:
Bangladesh [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.