Sue Ogrocki/AP
Sue Ogrocki/AP

Ato marca 15 anos do atentado em Oklahoma

Explosão em 1995 deixou edifício completamente destruído, matou 168 pessoas e feriu outras 600

Agência Estado e Associated Press

19 de abril de 2010 | 13h32

OKLAHOMA - Sobreviventes e familiares dos mortos no atentado a bomba contra o edifício federal Alfred P. Murrah na cidade de Oklahoma se reúnem nesta segunda-feira, 19, para lembrar o 15º aniversário do ataque. Centenas de pessoas participam da cerimônia no Memorial Nacional da Cidade de Oklahoma a fim de lembrar as 168 pessoas mortas e as mais de 600 feridas na explosão de 19 de abril de 1995. Os participantes lembraram os mortos com 168 segundos de silêncio.

Antes da cerimônia, sinos tocaram no centro da cidade e alguns familiares visitaram o local onde ficava o prédio, onde há um monumento formado por diversas cadeiras em homenagem às vítimas.

O prefeito de Oklahoma, Mick Cornett, disse que o atentado é lembrado com reverência "não porque não podemos nos esquecer, mas porque escolhemos nos lembrar". "Nós escolhemos a força, escolhemos o otimismo, escolhemos a liberdade, escolhemos seguir adiante com um nível de unidade sem precedentes em qualquer cidade norte-americana", disse Cornett durante a cerimônia, realizada numa manhã nublada e fresca.

A secretária de Segurança Interna Janet Napolitano, o governador Brad Henry e o ex-governador Frank Keating também devem falar durante o evento.

Charlie Hangar, o patrulheiro que parou o agressor Timothy McVeigh numa rodovia no dia do ataque porque seu carro estava sem placas, também esteve presente. Hangar, que atualmente é xerife do condado de Noble, falou sobre sua missão antes da cerimônia.

McVeigh foi condenado por assassinato e executado em 2001. O companheiro de Exército de McVeigh, Terry Nichols, cumpre prisão perpétua num presídio federal do Colorado.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOklahomaatentado1995

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.