Darren Whiteside/Reuters
Darren Whiteside/Reuters

Ato reúne 15 mil palestinos em Ramallah

AP suspendeu aulas e decretou ponto facultativo no serviço público para estimular a manifestação

RAMALLAH, CISJORDÂNIA, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2011 | 03h03

No mesmo dia em que confrontos entre palestinos e israelenses se espalharam pela Cisjordânia, milhares de manifestantes a favor do pedido de reconhecimento do Estado palestino perante as Nações Unidas reuniram-se em um protesto pacífico, que tomou as ruas de Ramallah, sede do governo da Autoridade Palestina (AP), na manhã de ontem. Segundo a polícia local, cerca de 15 mil pessoas passaram pela Praça Al-Manara, a principal da cidade

 

Veja também:

lista Leia a íntegra da fala de Dilma

forum ENQUETE: Você concorda?

blog AO VIVO: Os discursos na AG

tabela HOTSITE: A busca pelo Estado

blog GUSTAVO CHACRA: O Estado palestino

lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU
especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

A AP suspendeu as aulas nas escolas de Ramallah e decretou ponto facultativo no serviço público da cidade para estimular a manifestação, organizada diante da enorme cadeira que representa a intenção palestina de obter um assento na ONU.

Eufóricos, dezenas de meninos e adolescentes escalaram o monumento central da Praça Al-Manara, que ficou ocupado por toda a manhã. "Estamos aqui porque Abu Mazen (apelido pelo qual Abbas é chamado) está na ONU. Estou muito feliz. A Palestina vai ser livre", afirmou o estudante Mohammed Al-Amari, de 15 anos. "Não tivemos aula hoje!", comemorou o estudante Hussan Mahlouf, de 15 anos. O clima era de festa.

"Somos um povo que tem de ter um novo começo. Precisamos do assento na ONU. Daí, sim, seremos livres", disse o desempregado Ahmed Samir. / G.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.