Atrito entre Netanyahu e Lieberman evidencia rusgas no governo de Israel

Chanceler atacou o Likud, partido do premiê, e seus membros; premiê o repreendeu

Agência Estado

11 de janeiro de 2011 | 12h18

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chamou a atenção de seu polêmico ministro das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, após o chanceler ter atacado membros do partido Likud, do próprio premiê. O episódio mostra as tensões entre os integrantes do governo de coalizão do país.

 

Lieberman criticou líderes do Likud por eles se oporem à iniciativa do ministro de investigar grupos pelos direitos humanos que criticam o governo israelense.

Lieberman busca que o Parlamento inicie uma investigação sobre as fontes de financiamento dos grupos de direitos humanos israelenses. Em um encontro com jornalistas, Lieberman qualificou os grupos de direitos humanos como "colaboradores de terroristas".

 

Ele atacou em particular os grupos que têm ajudado a buscar o julgamento de soldados israelenses por crimes de guerra durante as batalhas contra o Hamas, partido palestino radical que controla a Faixa de Gaza.

 

O gabinete de Netanyahu disse nesta terça que o primeiro-ministro "rechaça completamente" as declarações, e acrescentou que Likud é um "partido democrático e pluralista, e não a ditadura de uma opinião".

 

Lieberman, a face mais conhecida da ala ultraconservadora da coalizão de Netanyahu - o partido Yisrael Beiteinu - é defensor ferrenho da expansão dos assentamentos das colônias judaicas, um dos principais entraves do diálogo de paz de Israel com os palestinos.

 

Netanyahu e o setor menos conservador da coalizão já enfrentaram diversas ocasiões de discórdia com Lieberman sobre o assunto. O chanceler costuma dar declarações polêmicas sobre os palestinos e descarta qualquer acordo de paz que envolva ceder territórios aos árabes, principalmente em Jerusalém. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.